Uniao de Blogueiros Evangelicos

IRMÃO ANSELMO. EU AINDA NÃO ENTENDI O QUE QUER DIZER: BAAL??? VEJA ESTUDO PARTE 2:

A iguinorância é tão gritante que nem mesmo sabem eles o significado da palavra BAAL; dizem escancaradamente que Baal é um nome de um demônio etc… A palavra Baal significa: Marido, Senhor, dono da casa, expressão milenar tanto usada no hebraico antigo como no moderno Exemplo “Há Ishi Baal há Isha” O homem é marido da mulher ou desta mulher. Outro exemplo em

Mt.1:16 “Rh[¤I C¢L]P D¡p£o¦N X£[©@ M¡I¥X¦N L¢R¢d S¤Q]I-Z£@ CI¦L]D A«W©R¢I¥E”

“E Yakov gerou Yosef, Baal (marido ou Senhor ou Pai) de Myriam do qual nasceu Ieshua.”

  Em outras palavras você poderá usar Adonai tanto para o diabo quanto para o Todo Poderoso. O mesmo se aplica para Baal, você pode usar tanto para o Eterno quanto para os demônios. Por isso ao falar “BAAL” ou “ADONAI” você tem que colocar o nome do Baal ou do Adonai, Exemplo: Baal’Zibull, Baal’Shium, Baal’Moloque. Que Baal você adora? Baal’Zibull ou Baal Eterno Criador? O mesmo vale para Adonai. Por isso é usada constantemente na Tanach, a expressão: “Mi Camorra Baelim Adonai, Iahue DEDI”. Tenho lido muitas coisas acerca da fonética correta do nome do Mashiach na internet, fico surpreso com as discordâncias que há em relação ao assunto que julgo de fundamental importância para nossa salvação, em alguns casos, tenho observado pessoas catedraticamente escoladas no Hebraico, com uma profunda compreensão dos Livros Sagrados (Tanach e da Torah) e deslizam em dizer asneiras tais como: “Ieshua se traduz como Jesus” a correta pronuncia é “Iashua” e compara com veemência a ligação de Ieshua com Ieshu sem o “ain” (“R”) letra hebraica que tem um significado espiritual muito amplo, que também significa “OLHO”…

Em primeiro lugar Jesus não é uma tradução de Ieshua, pois tradução é mudança de letra de fonética, mas não de significado.

Ie Shua (Eu Serei a salvação presente, passado e no futuro).

Assim que se traduz o nome do Mashiach. Outro exemplo de tradução: “House” para Português “Casa” temos aqui mudança de letras e de fonética, mas não de significado. Ieshua (Ie está expresso em diversos nomes de profetas) (Navy) como “Ye” shaiahu, ”Ye” miahu (Jeremias e Isaias)etc. Contudo, se desconectarmos o “R”ain do nome tanto Ya’Shua como de Ye’shua teremos sim um significado espiritual pejorativo, pois Yeshu significa o Messias cego o Demônio assim como “Yashu”. E dessa palavra pejorativa que foi corretamente transliterada para Grego em IESOUS, pois os gregos não pronunciam a letra SHIM “Y” mas sigma; ficando em sua pronuncia Iesous, que hoje se pronuncia Jesus e ai eles querem justificar toda história, vejamos a seguir:

“Jerusalém, em 70 antes do Mashiach, o Rabino perushim Yohanan Ben Zakkay, driblou os comandantes zelotes, que não deixavam ninguém sair da cidade, com a simulação de um cortejo fúnebre, e conseguiram chegar até a barraca de comando do Vespasiano Tito Filho, o general romano encarregado do sítio à cidade do Grande Rei. Isso foi antes de ocorrer o Tishá Beav de 9 de Av.  Vespasiano recebeu o esperto Rabino e aceitou um acordo que ele lhe fez: levar toda a sua Yeshivah para a cidade de Yavné, às margens do Lago da Galiléia. Ocorreu o Tishá Beav: Jerusalém e o BEIT HAMIKDASH foram destruídos a fogo pelos malvados romanos. Destruídos todos os comandantes zelotes da Rebelião. Mais de um milhão de corpos de judeus foram profanados e enterrados nos montes ao redor de Sião. Dos que sobraram em Israel um general Galileu, zelote, Flavio Josefo, aprisionado e colaborando com os romanos, foi o historiador dessa tragédia. Os outros vencidos foram levados e vendidos como escravos nos mercados de Alexandria e das mais importantes cidades comerciais portuárias do mundo. Os AM HA-ARETZ, a plebe, a gentalha, tão execradamente desprezada pelos perushim, correram às cavernas, montanhas inacessíveis e entranhas inabitáveis da Aretz (terra). A Comunidade Nazarena, seguindo as profecias de Yeshua a respeito, safou-se dessa, quando Vespasiano pai correu a Roma e lá, por mais de sete meses, parando as atividades do cerco que foi deixado ao comando do filho, negociou políticamente sua coroação como Imperador.

           Enquanto isso, depois de ter reorganizado a famosa Yeshivah dos perushim em Yavné, reunindo papéis semi-destruídos, sobretudo os da Yeshivah, entre eles, tinham um “rolo” escrito por um nazareno metido, que o tinha feito como se fosse uma “Escritura Kadosh”, Tenho esse texto aquí diante de mim. (O Ben Zakkai, contra tudo o que dizem e ignoram os “scholars” historiadores do texto escritural e o pessoal ekklesiastiano da “Crítica da Forma”, e que tais, não só sabiam da existéncia do rolo, como tinha uma copia dele). O individuo, por cima de tudo, era um levita, que se tornou talmidim de Ieshua de Netzaré: Mattityahu, de nome Muito bem, era preciso combater essa “nova seita” na Aretz e no Galut/Diáspora, assim como o Sanhedrim (sinédrio) Tradicional havia entendido, em passado recente, a cerca de quarenta anos atrás, quando Ben Zakkay era jovem. “O Sanhedrim mandara a Shaul, um jovem não “radical”, mas“ “fanático” porque não tinha discernimento, com cartas de autorização para trazer aprisionado de Dammesek (Damasco) para Jerusalém a esses “nazarenos”; Matá-los todos. Estraçalha-los, trannnchhh! (Ma Aseh Shlechim/At. 9:1-2).

             Em consequencia, o Ben Zakkay adotou logo aquela atitude tacanha e matreira de coronel político dos antigos engenhos da Bahia e de Pernambuco: “Retado”! Se vamos combater o homem, vamos logo “esculhambar” o nome dele! É por ai que se começa!”E aparecem os “Piançó”, “os Panças”, “Corno manso”, “Sete quedas”,  “Engole cobra”, “Zurave”, e que tais”.

          No ano 73 A.C. por influência do Ben Zkkay e desde Yavné se difundiu no Galut e na Aretz o “novo nome” do Messias Nazareno. Que é uma maldição, muito bem armada, como “espécie de armadilha de pegar passarinho”, e se propagou até hoje no Movimento Messiánico. “A maldição: YESHU, que é um acrónimo ou acróstico de YOMAR SHAMEO UZEECHRO que, por sua vez, traduzido ao Português, significa: “QUE SEU NOME SEJA MORTO ASSIM COMO A SUA MEMÓRIA” A essa maldição Yavne juntou a famosa oração SHIMONEH ESREAH”.

Como vemos, a história é clara como realmente a conspiração contra o nome Kadosh Ieshua ou Iashua foi profanado entre as Nações.

“E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo dos céus nenhum outro NOME há dado entre os homens, pelo o qual devamos ser salvos.”

(Ma’asei Shaliachim, Atos dos Apóstolos. 4:12).

Existem na Torah quatro níveis de interpretação das Escrituras que são a base e o fundamento central de sua compreensão, que se harmoniza como todo, o primeiro fundamento é chamado de P’shat, significa simples, é o nível de compreensão direta da leitura das Sagradas Escrituras. Ex: “E disse: Tu és Keifá e sobre esta pedra…” (Mt. 16:18).

Remez: É o segundo nível que significa: se aprofunde mais. Ex: de remez é as parábolas, comparações metáforas etc… Ex: Bereshit (Gn. 3:15).

Drash: Pesquise (Profecias)

Sod: Significa oculto, se refere aos códigos bíblicos secretos, colocados pelo Eterno na Sua palavra; entre os códigos estão a guimátria, que era/é muito empregada pelos profetas, muitas vezes.

Por conseguinte, vamos considerar a aplicação destes quatro níveis de intepretação, para entender melhor sobre o nome do Mashiach.

Yeshua ou Yahushua?

Yahushua

Yahoshua

Yehoshua

Yehushua

Yaohushua

Yaohoshua

Todos esses nomes citados a cima, são escritos em hebraico com as mesmas letras, tendo por tanto o mesmo valor numérico e o significado é o mesmo; “YHVH é Salvação”. No hebraico, cada letra tem um valor numérico, e cada palavra ou nome tem o seu valor numérico, de acordo com as letras que compõem a palavra, isto é chamado de “Guimatria”.

LEIA TODO O ESTUDO COMPLETO ADQUIRINDO O LIVRO NOME DO ETERNO

http://peshitta.wordpress.com/  (Material tirado da internet com direitos autorais reservados ao autor da postagem acima!).

 

SENHOR: (Propriamente dito: Hebr. ADON; gr. KYRIOS) Título de Deus como dono de tudo o que existe, especialmente daqueles que são seus servos ou escravos (Sl 97,5; Rm 14,4-8). No NT, “Senhor” é usado tanto para Deus, o Pai, como para Deus, o Filho, sendo às vezes impossível afirmar com certeza de qual dos dois se está falando. (Hebr. YHVH, JAVÉ). Nome de Deus, cuja tradução mais provável é “o Eterno” ou “o Deus Eterno”. Javé é o Deus que existe por si mesmo, que não tem princípios nem fim (Êx 3,14; 6,3). Segundo o costume que começou com a SEPTUAGINTA, a grande maioria das TRADUÇÕES modernas usa “Senhor” como equivalente de YHVH (JAVÈ). A RA e a NTLH escrevem “SENHOR”. A forma JAVÈ é a mais aceita entre os eruditos. A forma JEOVÁ (JEHOVAH), que só aparece a partir de 1518, não é recomendável por ser híbrida, isto é, consta da mistura das consoantes de YHVH (o Eterno) com as vogais de ADONAI (senhor).

               Às abreviações (Hebr. Lê-se - “Hebraico”); (gr. Lê-se - “grego”).

 

               VEJA, AGORA, O SIGNIFICADO DE “SENHOR”:

 

               (Tirado do estudo da Bíblia de Genebra – edição revista e ampliada Baal – senhor [1Rs 16,32 – Baal.]).

 

               BAAL: Essa designação significa “senhor” ou “marido”. Baal era adorado como o deus da tempestade e era a principal divindade da religião cananéia. Como o deus que controlava as condições do tempo; Baal era considerado o agente das chuvas vivificantes e da fertilidade que evitavam a fome e esterilidade da terra, dos rebanhos e do povo.

 

               (Bem, vamos agora a um “Dicionário-enciclopédico do Autor: R. N. Champlin, Pn. D. Da (Editora: HAGNOS.):

 

               BAAL (BAALISMO): A palavra e seu uso. Essa é a palavra hebraica que significa “proprietário”, “senhor” ou “marido”. É usada em 1Cr 5,5; 8,20 e 9,36 como um nome pessoal; e de modo geral, designa a divindade cananéia desse nome. As identificações incluem aquelas com restrições a algum mero lugar de adoração como Baal-Peor (Nm 25,3), Baal-Gade (Js 11,7), Baal-Hermom (Jz 3,3), etc. Algumas vezes, tais combinações indicam uma característica da divindade, e não algum lugar com o qual estaria associada, como Baal-Berite (Baal do pacto, em Jz 8,33). Baal-Zebube, talvez uma corruptela de Baal-Zebul (que significa “príncipe”, em 2Reis 1,2). O próprio termo sugere que a divindade era considerada proprietário de um determinado lugar, pelo que exerceria controle ali, no tocante a certos aspectos da vida humana, mas, sobretudo, no tocante à fertilidade.

               Baalísmo. A adoração a Baal era, essencialmente uma religião da natureza, cuja ênfase principal era a fertilidade. O Oriente Próximo exibiu várias formas de religião da fertilidade, e essa religião dos cananeus era a mais desenvolvida entre elas, quanto a esse aspecto. Israel deixou-se arrastar pela influência do baalismo por meio de sincretismo (os hebreus incorporaram-no, ou ao menos aspectos seus, à sua fé), tendo havido uma reação profética (os profetas que reagiram contra esses elementos corruptores).

               Ideias. El seria o pai dos deuses, mas não teria muito contato com os homens. Aserá era a deusa-mãe. Um filho (ou neto) de destaque deles seria Baal. Sua consorte, Astarte (que no AT aparece como Astarote), era a deusa da fertilidade. Nos tabletes de Ras Shamra, Anate aparece como a consorte de Baal. Seu maior inimigo era Mote (a morte). O clima da Síria e da Palestina contribuía para a elaboração dessa religião. As chuvas cessam em março-abril. Só começa a chover novamente em outubro-novembro, e, durante o intervalo, pouca vegetação pode crescer. A menos que as chuvas voltem, a fome é inevitável. Assim os cananeus personificaram as forças que fazem a vegetação voltar à vida. A razão pela qual as chuvas cessariam é que Baal seria morto em uma luta feroz contra Mote. E as chuvas retornariam porque os amigos de Baal (como o Sol – Shapsh ou Shemsh) e Astarte (fertilidade), devolver-lhe-iam a vida (princípio da ressurreição). Assim temos nisso uma forma de religião que é, essencialmente, a adoração à natureza. Quando os homens perturbam os deuses ou deixam de agradá-los, há perturbações nas condições atmosféricas, ou nas vidas das famílias e das tribos.

               Festividades. A fim de promover o sentimento religioso do povo e honrar os deuses, foram instituídas festas que apelavam ao impulso procriador e a licenciosidade, incluindo a prostituição masculina e feminina, que se tornou um acompanhamento indispensável nesses cultos de fertilidade. Isso prosseguia durante os períodos da festividade e fora dos mesmos.

               Influência sobre Israel. Essa religião exerceu grande influência sobre Israel, especialmente no norte (Israel, em contraste com Judá), onde as ideias e as culturas pagãs tornaram-se parte, mais rapidamente da perceptiva religiosa dos israelitas. Isso provocou os protestos dos profetas. Sob tais circunstâncias foi que Elias e seus sucessores postularam a pergunta se o Deus de Israel era Yaohu ou Baal (ver Reis 18). Os símbolos dessa adoração foram condenados pelos profetas, incluindo a árvore ou bosque sagrado, a coluna e os terafins (imagens, que incluíam figurinhas da deusa da fertilidade, que se tornaram populares e numerosas entre os israelitas). O protesto levantado pelos profetas contra esse tipo de religião pode ter sido um dos fatores que raramente permitia que Deus fosse chamado de Pai e o  AT não tem palavra que corresponde a deusa. Além disso, a expressão filho de Deus, aplicada ao homem, é rara no AT. Taís termos poderiam ser erroneamente entendidos, em termos pagãos. No judaísmo havia o cuidado de se evitar a terminologia sexual no seio da família, porquanto isso era por demais comum nas religiões politeístas e de fertilidade, entre os vizinhos de Israel.

               Fatores do vigor da religião de fertilidade. 1. Israel não expulsou os cananeus de suas terras, mas antes misturou-se com eles em casamento. 2. Aqueles que tinham acabado de entrar na Terra Prometida tinham acabado de sair das experiências no deserto. Formas religiosas que fomentavam festividades e os prazeres sensuais eram altamente tentadoras. Ou, pelo menos elementos tomados por empréstimo dessas atividades que sem dúvida eram muito atrativos. 3. A lei de Israel era austera. Sempre será mais fácil seguir o curso de menor resistência. Assim, persistia por um lado a fé em Yaohue esta ia-se misturando com elementos cananeus. Esse processo sincretista é ilustrado em passagens como Jz 2,1-5; 2,11 – 13,17; 19; 3,5-7; 6,25. A mesma coisa se dava com combinações de palavras, como Jerubaal (ver Jz 7,1), Beeliada (ver 1Cr 14,7), Es-Baal e Meribe-Baal (ver 1Cr 8,33.34), que surgiram de outros nomes próprios. As ostraca de Samaria (cerca de 780 a.C. O demonstram que para cada dois nomes que envolviam o nome de Yaohuum era uma forma qualquer composta de Baal. O trecho de 1 Reis 18 mostra nos que o baalismo tornou-se tão forte em Israel que somente sete mil deles permaneceram fieis à antiga féElias conseguiu evitar o colapso total da fé judaica. Embora continuassem havendo reformas e o protesto dos profetas (ver Os 2,16.17), parece que foi necessário o cativeiro para impor a purificação necessária.

               Dois grandes mitos de Baal. Os textos de Ras Shamra contêm esses mitos, a saber: 1. O conflito com o Príncipe do Mar e Juiz do Rio (o deus das águas obtém a ascendência e, arrogantemente, intimida os outros deuses). Baal, com a ajuda de alguns outros deuses, é capaz de derrotá-lo, confiando-o à sua devida esfera de atividade. Talvez essa luta seja simbolizada pelo leviatã da Bíblia, que poderia ser o mesmo Iotan, a serpente enroscada, e que possivelmente seja idêntica ao Príncipe do Mar, - Alguns supõem que o Dia do Senhor (segundo originalmente concebido no judaísmo) poderia referir-se a vitória de “Yahweh” sobre as forças do caos. E esse conceito poderia depender do mito cananeu, acima descrito. 2. Outrossim, havia o deus que morria e ressuscitava; Baal, morto por Mote, era então ressuscitado pelo deus Sol e por Astarte. Tal suposta ressurreição era acompanhada por grande festividades de sensualismo. Apesar de que o judaísmocomo é óbvio, nunca desenvolvesse qualquer coisa similarexcetuando casos de empréstimos diretos extraídos das religiões de seus vizinhos pagãos, alguns estudiosos supõem que o próprio conceito de ressurreição pode ter sido provocado, pelo menos em parte, por essa antiga crença. Não há como determinar até que ponto isso pode ter sido verdade. Mas a verdade do conceito da ressurreição em nada é prejudicada ainda que os povos pagãos, de maneira crua, tivessem antecipado e expressado essa ideia à sua maneira ímpia.

 

               BAAL-BERITE

               No hebraico, Senhor do pacto. Era um deus cananeu, adorado pelo povo de Siquém, após a morte de Gideão (ver. Jz 8,33 e 9,4). Essa adoração era promovida mediante o ídolo do deus. Abimeleque, neto de Gideão, tomou setenta peças de prata da casa desse deus a fim de contratar homens para o ajudarem em sua rebelião (ver Jz 9,4). Não se sabe como interpretar a palavra pactoassociada a esse deus. 1. Poderia ser um pacto geral: a aliança entre o povo e essa divindade; ou 2. Poderia ser um pacto particular: a divindade chamada como testemunha do pacto de Siquém como Israel. Provavelmente devemos pensar nessa segunda alternativa.

 

               BAAL-GADE

               No hebraico, Senhor da sorte. Nome de uma cidade no vale do Líbano, sob o monte Hermom (ver Js 11,17; 12,7 e 13,5). Ficava localizada no extremo norte das conquistas de Josué. A localização precisa é desconhecida, mas ficava entre o monte Líbano e o monte Hermom, talvez perto da moderna aldeia de Hasbeiya. Tell Haush, a doze quilômetros ao norte de Hasbeiya, tem sido identificado como o lugar, por alguns estudiosos. Esse lugar, de fato “todo o Líbano, na direção do pôr-do-sol, de Baal-Gade, sob o monte Hermom, até à entrada em Hamate”, não foi conquistado por Israel antes da morte de Josué. Alguns têm identificado esse lugar com Baalbeque mas tal identificação não tem resistido à investigação.

 

               BAAL-HAMOM

               No hebraico significa “Baal das Multidões”. Seja como for, era uma localidade nos montes de Efraim, perto de Samaria. Entre essa localidade e Dotã, foi sepultado o marido de Judite (ver Judite 8,3). Apócrifo. No Antigo Testamento, o local é mencionado exclusivamente em Ct. 8,11, onde se lê que ali Salomão tinha uma vinha.

 

               BAAL-HANÃ

               No hebraico, Baal é gracioso. Foi nome de duas pessoas, no AT.

 

  1. Um rei de Moabe que reinou após Saul (ver Gn 36,38). Talvez fosse filho de Acbor, sucessor de Saul. Foi sucedido por Hadar ou Hadade (ver Gn 37,39.Ver também 1Cr 1,49.50).
  2. Um gederita, superintendente real das oliveiras e sicômoros nas planícies baixas, sob Davi (ver 1Cr 27,28), em cerca de 1015 a.C.

 

               BAAL-HAZOR

               No hebraico, Vila de Baal. Lugar onde Absalão guardava seus rebanhos e realizou sua festa de tosquia (ver 2Sm 13,23). Não é a mesma Hazor (ver Ne 11,33), atualmente Tell 'Asar. Por longo tempo, Absalão vinha planejando vingar-se de Amom, por haver desvirginado sua irmã. Tamar, A festa foi apenas um pretexto para que pudesse pôr as mãos sobre Amom. O plano deu certo. Absalão conseguiu matar Amom, e então foi esconder-se, durante algum tempo. É provável que o lugar onde a festa foi realizada fosse uma casa nas montanhas, sendo um lugar cerca de 1200m acima do nível do mar. O lugar tem sido identificado com Jebel el-'Asur, a nordeste de el-Tayibeh, a pequena distância, e a leste da estrada para Siquém.

 

               BAAL-HERMOM

               No hebraico, Senhor de Hermom. Tem sido identificado por alguns com Baal-Gade, mas não há certeza quanto a isso. Seja como for, era um lugar onde Baal era adorado, e estava localizado na Transjordânia, nas vertentes do monte Hermom. Ficava de frente da entrada para Hamate, onde habitavam os heveus (ver Jz 3,3). Essa referência nos dá a ideia de que era uma montanha a leste do Líbano, chamada por esse nome. A atual Banjas mui provavelmente assinala o local (ver Js 13,5). [Os “cultos pagãos” - também eram adorados em montanhas...! Por isso, Yaohu – quando trouxe seu povo para a terra de Canaã, “pediu primeiro para que seu povo”, aguardasse um LUGAR, que, Seria escolhido para ADORÁ-LO. E não junto com esses deuses todos! Mas o povo, não obedeceu como sempre. Tornado a adoração a Yaohu um culto pagão também. Adorando nos ALTOS.{Dt 33,29; Nm 33,52; Dt 7,5; 12,1ss; 1Rs 3,2; 2Rs 16,4; 1Rs 12,21-33 (Jeroboão seguiu o culto dos cananeus – idolatria nos altos)}. Anselmo Estevan.].*

 

               BAAL-MEOM

               No hebraico, Senhor da Habitação (ver Nm 32,38 e 1Cr 5,8). Foi uma cidade construída pelos descendentes de Rubén. Era uma das mais importantes cidades da fronteira de Moabe, juntamente com Bete-Jesimote e Quiriataim (ver Ez 25,9). Fazia parte das possessões moabitas, ao tempo de Ezequiel (ver Ez 25,9). Também era chamada pelo nome de Bete-Baal-Meom (ver Js 13,17), Bete-Meom (ver Jr 48,23), e Beom (Nm 32,3). Há uma inscrição na Pedra Moabita que diz que Mesa, rei de Moabe, edificou-a ali construiu um reservatório. É provável que o lugar tivesse mudado de mãos com frequência, entre Israel e Moabe, por diversas vezes. Ficava localizado em Ma'in, os quase quinze quilômetros a leste do mar Morto, segundo têm descoberto os arqueólogos. 

 

               BAAL-MEU

               No hebraico, Meu Senhor. Um nome usado para indicar Deus (ver Os 2,16), embora o termo fosse tipicamente pagão, e naturalmente, trouxesse tal conotação. O povo recebeu ordem para não usar o nome, por esse motivo. Mas a referência pode significar apenas que Deus agora seria chamado Ishi (marido), e não Baal, porquanto essa mudança em nome estava ensinando uma lição espiritual. Israel deveria manter um correto relacionamento com Deus, como se fosse uma esposa para com seu esposo, e não meramente o relacionamento de um servo para com o seu senhor. Todavia, o desuso do nome Baal provavelmente também serviria de medida contra o paganismo.

 

               BAAL-PEOR

               No hebraico, Senhor de Peor. Era uma divindade adorada em Moabe, quando Balaão provocou a apostasia em Israel. Isso sucedeu quando Israel estava acampado em Sitim (ver Nm 25,3 ss.) Todos os adoradores foram mortos, mediante o julgamento divino (ver Dt 4,3). Essa apostasia particular prosseguiu, sendo relembrada muito tempo mais tarde (ver Sl 106,28 e Os 9,10). Nesta última referência a adoração ao ídolo é chamada de “vergonhosa idolatria”, e seus adoradores de “abomináveis”. Alguns supõem que essa forma de adoração incluía excessos sexuais e perversões. Esse deus era a divindade local do monte Peor (daí o nome), e provavelmente estava vinculado ao Baal dos fenícios.

 

               BAAL-PERAZIM

               No hebraico, Senhor dos calções. Davi dera esse nome a um lugar, onde obteve a vitória em uma batalha contra os filisteus (ver 2Sm 5,20; 1Cr 14,11 e Is 28,21). Esse nome é curioso por ser o único que se compõe com o nome Baal, acerca do qual temos informações específicas sobre como o nome foi dado. O local é atualmente desconhecido, embora dois locais, próximos de Jerusalém, tenham sido sugeridos: a moderna Sheikh Bedr, a noroeste de Jerusalém, e um lugar no vale dos Gigantes, a sudoeste de Jerusalém. No trecho de Isaías 28,21, o lugar é chamado Monte Perazim.

 

               BAAL-SALISA

               No hebraico, Senhor de Salisa. (ver 2Rs 4,42), Era um lugar no distrito de Salisa (ver Sm 9,4). Eusébio e Jerônimo disseram que era uma cidade a quinze milhas romanas de Dióspolis, perto do Monte Efraim. Era o lugar de nascimento do homem, de nome desconhecido, que, em tempo de fome, trouxe a Eliseu vinte pães de cevada e espigas de trigo que alimentaram cem homens. A quantidade de alimento era minúscula, para tanta gente. Mas houve um milagre de multiplicaçãotornando o alimento suficiente a todos, pois ainda sobrou muito alimento após todos já estarem satisfeitosO paralelo miraculoso de Cristo, na multiplicação dos pães e dos peixes, em Mateus 14,16e ss., é óbvioAmbos os eventos ilustram como a provisão de Yahushua é surpreendentepodendo derrotar tanto a fome física quanto a fome espiritualAs pessoas se surpreendem lhes é conferida uma provisão inesperada, e elas dizem: “Louvado” seja o “Senhor” - Baal. Porém em breve esquecem-se da providência divina, e tornam a surpreender-se, em futuras ocasiões. [MAS SÓ QUE O NOME “SENHOR” – ESTÁ SE REFERINDO A UMA DIVINDADE PAGÃ! E, NÃO AO SEU VERDADEIRO NOME COMO ELE QUER SER RECONHECIDO – YHWH – YAHU – YAHU-UL - YAHU – YAHUSHUA. (Anselmo Estevan.)].*

 

               BAAL-TAMAR

               No hebraico, Senhor da palma. Era um lugar perto de Gibeá, na tribo de Benjamim, onde as outras tribos lutaram com os benjamitas (ver Jz 20,33). Eusébio chamava-a de Betamar, o que é um intercâmbio verbal com Bete e Baal. O lugar estava associado à palmeira de Débora (ver Jz 4,5), que ficava entre Betel e Ramã, uma posição que talvez explique o nome. Israel fora à batalha para castigar o pecado de Benjamim (ver Jz 20,33). O local atualmente é desconhecido, mas ficava perto de Gibeá, que dista seis quilômetros e meio de Jerusalém. Alguns identificam as ruínas em Erhah como o local.

               BAAL-ZEBUBE

               No hebraico, Senhor das moscas. Belzebul, segundo se pensa, significa deus do monturo, que expressa repulsa ao príncipe de toda impureza moral. Todavia, alguns supõem que a palavra significa “senhor da habitação”, onde se ocultariam maus espíritos. As variantes textuais nos manuscritos confundem o quadro. Baal-Zebube aparece no AT, e Belzebul no NT. (Ver 2Rs 1,2; 1,3.6; 1,16; Mt 10,25; 27; Mc 3,33; Lc 11,15ss.). Originalmente, Baal-Zebube era um deus filisteu, ao qual Acaziasfilho de Acaberei de Israelmandou consultarapós ter caído de seu quarto elevado, em Samaria (ver 2Rs 1,2). Acazias esperava receber algum bom preságio da parte dessa divindade, acerca de sua condição, mas foi repreendido por Elias, por tal lapso. A morte foi declarada como certa, como castigo. Não se sabe porque essa divindade era chamada das moscas. Alguns têm sugerido que isso se deve ao fato de que ele protegia seus adoradores das moscas. Outros pensam que significa que a sua mensagem e provisões eram rápidas, como moscas. Ou então, a quase onipresença das moscas poderia sugerir uma divindade que está em todos os lugaresA forma neotestamentária varia nos manuscritos, e muita discussão se concentra em torno de seu significado e uso.

 

               BAAL-ZEFOM

               No hebraico, Senhor do Inverno, ou Senhor do norte. Uma cidade pertencente ao Egito localizada na fronteira do mar Vermelho. (Ver Êx 14,2 e Nm 33,7). Ali acamparam os filhos de Israel antes de atravessar o mar. Ao que parece, foram apanhados em uma armadilha, pelo que devia ser uma espécie de península. Ali postados, viram os exércitos egípcios que se aproximavam. Os filhos de Israel ficaram aterrorizados, queixando-se diante de Moisés por qual razão tinham sido apanhados em uma armadilha. Porém, Moisés exortou-os a que confiassem em Deus (Yaohu). Foi então que o povo de Israel atravessou o mar por terra seca. E os exércitos egípcios, tentando fazer a mesma coisa, foram afogados nas águas do mar, que retornaram ao seu devido lugar.

               O próprio nome fala de um bem conhecido deus da literatura de Ugarite. Há evidências de que essa divindade estava associada ao porto egípcio de Tapanes. Posteriormente, Jeremias foi levado para esse porto, pelos judeus que fugiam de Jerusalém, pois recusavam-se a render-se a Nabucodonosor.

               Não se sabe qual a localização exata de Baal-Zefom, mas supõem-se que ficava ou perto do mar Mediterrâneo, em Tapanes, a 35km a suleste de Rameses, ou para o suleste daquele lugar. Tapanes é a atual Tell Defneh, na extremidade norte do istmo.

 

               BAALÃ

               No hebraico, senhora. Há variações desse nome como Quiriate-Jearim (ver Js 15,9). Baalim de Judá (ver 2Sm 6,2), Quiriate-Baal, em Judá (ver Js 15,60 e 18,4).

  1. A cidade de Quiriate-jearim, a quase quinze quilômetros a oeste de Jerusalém, talvez a moderna Tell-el-Azhar. Ela é mencionada em conexão com as fronteiras do território de Judá (ver Js 15,9.10.11.29; 1Cr 13,6).
  2. Uma cidade ao sul de Judá, talvez a Baalá de Js 19,3, ou a Bealote de Js 15,24. Ficava na Sefelá, anteriormente parte do território de Simeão, tendo sido identificada com Khirbet el-Meshash, cidade no extremo sul de Judá (ver Js 15,29).
  3. Uma cadeia montanhosa de Ecrom a Jabneel, na fronteira norte de Judá, talvez na colina atualmente conhecida como Mughar e associada a Khirbet el-Meshash (ver Js 15,11).
  4. Baalá, uma cidade de Dã, na fronteira (ver Js 19,44), associada a Bel 'ain.
  5. Uma cidade a oeste de Gezer, talvez a mesma mencionada no número anterior. O lugar foi construído por Salomão, para servir de cidade-armazém (ver 1Rs 9,18 e 2Cr 8,6).
  6. BaaL, devendo ser identificada com Baalate-Beer (1Cr 4,33).

               BAALATE

               (Ver Baalá, números 4 e 5.).

 

               BAALATE-BEER

               No hebraico, poço santo, ou Baal do poço. Era uma cidade do território de Simeão, evidentemente o santuário de uma deusa. Deve ser identificada com “Ramá do Sul” (ver Js 19,8; 1Cr 4,33), a qual muitos pensam ser a mesma que a de números 6, sob o título Baalá. Não se sabe o local exato, mas pensa-se que fica no extremo sul de Neguebe, e próximo um poço.

 

               BAALE-JUDÁ

               No hebraico, Senhores de Judá. Uma cidade de Judá, de onde Davi trouxe a arca para Jerusalém (ver 2Sm 6,2), provavelmente a mesma Baalá de Js 15,9 e 1Cr 13,5,6. Ver o número 1 do artigo sobre Baalá.

 

               BAALINS

               No hebraico, grande Senhor, sendo o plural de Baal. O termo encontra-se em Jz 2,11; 3,7; 1Rs 18,18; Jr 2,23; Os 11,2 e outros trechos.

Autor e circunstâncias da composição. O livro do Apocalipse não nos oferece informações precisas sobre seu autor. Este atribui-se o nome de João e o título de profeta (1,1.4.9; 22,8-9), mas em parte alguma pretende ser um dos Doze. Uma tradição bastante firme, da qual encontramos vestígios desde o século II, identifica o autor do Apocalipse com o apóstolo João, ao qual atribui também o quarto evangelho. [Ta vendo? Não??? Há, desculpem, ainda não expliquei né??? O termo “do”! Como difere do termo “de” veja o parágrafo acima ele fala por mim...!!!!! Pois, quando a Bíblia fala de “SENHOR” sempre usa o termo “do” representando alguém por detrás do título...!!! E, nunca o termo de pois seria esse SENHOR DE QUEM SE FALA E NÃO O “É” OK...! QUANDO SE USA “DE”, SE FALA DA PESSOA.......]. GRIFO MEU. Entretanto, a tradição primitiva não foi unânime a este respeito, e a origem apostólica do Apocalipse foi por muito tempo posta em dúvida em certas comunidades messiânicas. Os exegetas contemporâneos estão muito divididos. Uns afirmam que as diferenças de estilo, de clima e de teologia tornam difícil a atribuição do Apocalipse e do quarto evangelho ao mesmo autor. Outros, pelo contrário, sublinham as analogias temáticas e doutrinais, bem como o pano de fundo semítico das duas obras; eles pensam que o Apocalipse e o evangelho derivam do ensinamento do apóstolo João, sem dúvida por intermédio de redatores pertencentes aos meios joaninos de Éfeso.

            O Apocalipse é dirigido às “sete Igrejas da Ásia” (1,3.11; 2 – 3); trata-se, de fato, de sete comunidades messiânicas situadas na Província da Ásia, cuja metrópole era Éfeso. Por causa do número sete, que evoca a plenitude, pode-se pensar que o autor visava não somente a algumas comunidades particulares, por ele especialmente conhecidas, mas a toda a Igreja.

            Quanto às circunstâncias da composição, a obra nos traz duas indicações certas, as quais porém não permitem uma datação precisa. De um lado, a Igreja já fez a experiência da perseguição e parece mesmo confrontado com uma oposição oficial do império romano. De outro lado, a Parusia esperada se faz esperar, e o prolongamento da espera suscita, em alguns, meios-termos e tibieza, em outros, desencorajamento, hesitação ou impaciência. Levando em conta esses elementos , podem-se propor principalmente duas hipóteses: o período que se segue à perseguição de Nero e precede a ruína de Jerusalém (65-70) ou o final do reinado de Domiciano (91-96). Em favor da primeira hipótese, apresenta-se antes de tudo a alusão ao templo de Jerusalém (11,1-2) e à sucessão dos imperadores (17,10-11). A segunda hipótese, porém, parece mais verossímil à maioria dos exegetas contemporâneos; ajusta-se melhor ao testemunho de Irineu de Lião e, levando em conta a pretensão de Domiciano de promover o culto imperial, justifica a insistência com que o Apocalipse evoca o antagonismo irredutível entre o reinado do Senhor YahuShúa e o reinado blasfematório de César.

 

 

            [Ok. Esse texto acima é um ótimo exemplo para expor minha tese: DE QUE, A “BÍBLIA” FOI COMPILADA POR HOMENS NORMAIS A TODOS NÓS...!!! QUE, DETIVERAM O PODER NAS MÃOS E A CORROMPERAM SIM A SEU BEL PRAZER!!! MAS COMO? DESSE JEITO: A ANTIGA ALIANÇA – FOI REVELADA A HOMENS SÁBIOS OU NÃO. MAS QUE ESCREVERAM SOB A ORIENTAÇÃO DE Elohím YAHU! A NOVA ALIANÇA TAMBÉM FOI IGUALMENTE FEITA MAS SOB A “INSPIRAÇÃO” DESSE MESMO Elohím YAHU A CERTAS PESSOAS COMO OS PROFETAS DA ANTIGA ALIANÇA! E, A HOMENS CHAMADOS APÓSTOLOS SEGUIDORES DO MESSIAS...! QUE RECEBERAM ESSA MESMA INSPIRAÇÃO E COLOCARAM NO PAPEL – SENDO DENOMINADA A “ESCRITURA SAGRADA”! MAS, A “BÍBLIA”, FOI A COMPILAÇÃO DAS ESCRITURAS SAGRADAS...!!!! E, COMO DIZ O TEXTO ACIMA, MUITOS ERAM A FAVOR, E, MUITOS ERAM CONTRA O QUE O “HOMEM” ACHAVA CERTO OU ERRADO.....!!!!! (Rm 2,24; Is 2,10-18; 3,7.17; 7,18.20-21.23; 11,10-11; 24,21; 26,8; 27,1; 42,8; 52,5-6; Ez 16,27; 36,20-23; Os 2,16; Mq 4,5; Zc 14,9; Ml 1,6; 2,1-3; 2 Co 4,1-6; Dn 8,12; Jo 8,44-59; Rm 1,18-27; Rm 16,17; 1Co 5,7-11; Êx 20,1-17; Rm 10,13; Mt 22,36-38; Zc 7,12-14; Os 4,6; Jd 12; Mt 7,16-23; 1Co 11,20-34; 2Pe 2,13; Rm 11,1-4; 1Rs 18; 19,18; Rm 11,9-36; 1Co 8,4-7; Lv 24,10-16; Dt 28,15-43.58-59; Ef 4,5; At 4,12; 17,23; Fp 2,9-11; Êx 3,15; 6,1-3; Rm 2,4; Jo 1,1-14; Ap 2,9; 13,1.5-7; 16,17; 17,13; 19,13; 2Ts 2,11-12). Então, queridos leitores, vamos limpar essa sujeirada toda que colocaram na Bíblia {por homens comuns que detiveram o poder nas mãos...} que adulteraram passagem  – que provem das Sagradas Escrituras....pois homens não sãos deuses mas fazem a vontade de Satanás....sendo seus filhos deturpando a Palavra de Yahu – Ul o Todo Poderoso. Anselmo Estevan].

 

SENHORsenhorSenhor:

 

Atos 26,14-15: E, caindo nós todos por terra, ouvi uma voz que me falava e, em língua hebraica, dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? Dura coisa te é recalcitrar contra os aguilhões.

            E disse eu: Quem és, Senhor! E ele respondeu: Eu Sou YahuShúa, a quem tu persegues.

 

            Romanos 10,13: Porque todo aquele que invocar o Nome do Senhor será salvo.

 

            Saulo, ou Paulo, ao se referir quem o derrubou no chão...? Usou um termo comum: “senhor”, ou “Senhor”! Ok. Usando este termo, ele não sabe o agente do sujeito ok. Quem me derrubou? Usando um termo comum de autoridade!!!! Ok. Correto. A Bíblia que é a Palavra do ETERNO – não se contradiz! Certo? Certo! Então, de uma adulteração de “línguas”, veio uma corrupção gentílica (por não saber) usou o termo em hebraico [YHVH] com consoantes para a transliteração em português {Yehowah – para Yahweh} – da adulteração do seu próprio povo do “YHVH” – com as consoantes acrescentadas – para “Adonay”! Ficando com o Nome de: “SENHOR”!

            Hora esse termo veio a “adulteração e blasfêmia de seu Nome Santíssimo!”. Devido ao termo ser comum, mas se usado como nome, representa uma entidade pagã “Baal” – Que leva o Nome próprio de Senhor! Então para não se misturarem os termos, começaram a usar o nome de “senhor” com todas as letras maiúsculas e o “s” sendo maior ainda! (SENHOR). Ok. Mas de nada adiantou!!!! Por que??? Porque, por vontade humana e por não saberem seu Nome Santo, lhe adotaram esse termo como sendo seu Nome próprio = “Senhor” sendo seu Nome!!! Erro gravíssimo pois é de vontade humana e não do ETERNO!!!! “Ou seja: só e somente títulos!!! Alguns nobres outros blasfemos e que denominam o ETERNO IGUAL A UMA ENTIDADE PAGÃ E DANDO-LHE ESSA AUTORIDADE!!!! AÍ ESTÁ A BLASFÊMIA QUE NINGUÉM QUER VER OU OUVIR!!!! Reflita sobre esses versículos mas no lugar de SENHOR – não o use como nome ok”:

            Êx 20,1-17; Dt 6,4-5; 1Rs 18; 19,18; Is 26,8; 42,8; Os 4,6; 2,16; Zc 7,12-14; Mt 22,36-38; Mc 12,29-30; Mc 12,33; At 4,12; 17,23; Rm 2,24; 10,2-3; 11,1-4; 15,4; Ef 4,5; Fp 2,9-11; 2Tm 3,16-17; Tg 1,22-25; Ap 17,13! Por isso tudo, entra esta referência para dizer que Ele é acima de tudo e de todos:

 

               (APOCALIPSE 19,11-16):

 

               16.

               A, REFERÊNCIA DESTE VERSÍCULO, NOS LEVA A: (DANIEL 2,47):

               “REIS DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES”:

 

 

               DANIEL 2,47:

 

               ESTUDO: O vosso “Elohím” é o Elohím dos (elohais) deuses. A afirmação de Nabucodonosor não significa que ele reconheceu o Deus – Yahu como o único verdadeiro Deus, mas ele o percebeu como sendo SUPERIOR às divindades do panteão babilônico. SENHOR DOS REIS. Nabucodonosor declarou que o Elohím – Yahu de Israel era também Supremo sobre todos os governantes humanos e seus reinos. Esse é o tema unificador de Dn 1,1 – 6,28.

 

               Ap 19,16 (Tem no seu manto um NOME INSCRITO – LEVA A DUAS REFERÊNCIAS: Ap 2,17; 19,12):

              

               (2,17: Um Nome novo: Dar nome era um exercício de autoridade sobre aquele que estava sendo nomeado [por ex., Gn 2,19-20; Mt 1,25]). Ao renomear os fiéis, “Yeshua” confirma como propriedade sua aqueles que estão sob sua autoridade. Ninguém conhece, exceto. Em certas circunstâncias, conhecer o Nome de um Ser era a maneira de obter poder sobre ele ou ela (Mc 5,9). Ao manter secreto esse novo nome, “Yeshua” assegura que os crentes não cairão nunca sob o poder do inimigo.

 

               19,12: (VOLTA À AP. 2,17); e volta para (19,16). Agora veja o estudo dos versículos 11-16 – do capítulo “19” – de Apocalipse:

 

               a trindade um só Elohím! Três PESSOAS:

 

            Conforme essa verdade e a Palavra de Elohím – Yahu, cremos em um só Elohím, que é um único Ser, em quem há três Pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. (o Yahu, o YahuShúa e o Rúkha hol - RODSHUA). Essas são, realmente, desde a eternidade, distintas conforme os atributos próprios de cada Pessoa.

               O Pai é a causa, a origem e o princípio de todas as coisas visíveis e invisíveis.

               O Filho é o VERBO, a sabedoria e a imagem do Pai.

               O Espírito Santo, que procede do Pai e do Filho, é a eterna força e o eterno poder.

               Essa distinção não significa que Deus está dividido em três, pois a SAGRADA ESCRITURA nos ensina que cada um destes três – o Pai, o Filho e o Espírito Santo – tem a sua própria existência, distinta, por seus atributos, de tal maneira, porém, que essas três Pessoas são um só Deus. É claro, então, que o Pai não é o Filho e que o Filho não é o Pai; que também, o Espírito Santo não é o Pai ou o Filho.

               Entretanto, estas Pessoas assim distintas, não são divididas nem confundidas entre si.

               Porque somente o Filho se tornou homem, não o Pai ou o Espírito Santo. O pai jamais existiu sem seu Filho e sem seu Espírito Santo, Pois todos os três têm igual eternidade no mesmo SER. Não há primeiro nem último, já que todos os três são um em VERDADE, em PODER, em BONDADE e em MISERICÓRDIA.

               1Co 8,4-6; Mt 28,19; Ef 3,14.15; Pv 8,22-31; Jo 1,14; Jo 5,16.17; 1Co 1,24; Cl 1,15-20; Hb 1,3; Ap 19,13; Jo 15,26; Jo 1,1.2.

 

               Agora o que esses estudos nos revelam?

 

               1 – Que o substantivo, “SENHOR”, se for tomado como NOME comum – simples para UM DEUS ÚNICO, o transforma num deus igual a deuses ou seja: “Outro deus igual a todos os outros...”: Is 42,8; Êx 20,7; Dt 28,58-59; Os 12,5; Zc 14,9; Os 2,13.16-17. (SENHOR SÓ COMO SUBSTANTIVO – MOSTRANDO QUE ELE É ACIMA DE TODO SENHOR! E, NÃO, MAIS UM “SENHOR”!!!!!!!).

               Sendo, desta forma, soberano a todos os deuses pagãos – então não podendo receber o nome de “SENHOR”! (E, mesmo porque, o “nome” – está “INSCRITO” E NÃO “ESCRITO”!). (Ez 36,21-23; Zc 14,9; Rm 2,24...; Is 52,5-6; etc.!). E, o “NOVO NOME” – Que é dado ao “FILHO” e que ninguém conhece, é REVELADO EM: “Fp 2,9-11!”. (At 4,12).

            Onde, o Filho – se torna “Pai” – na nossa salvação – sendo superior a tudo e todos... Yahu – YHVH – YahuShúa – YHVH!!! (Do seu nome: Yeshua – recebendo um nome novo = YahuShúa – nosso salvador!).

               (At 4,12; 1Co 15) – Reforçando o estudo da Trindade...!!! E. sendo “Elohím – Yahu” – EM TODOS...!

 

 

               Pois, títulos são só títulos: Como por exemplo “Deus”, “deus”, “deuses” – que derivam do termo: (THEOS). VEJA LOGO, DEPOIS DESTE ESTUDO:

 

Êx 3,14: E disse Deus a Moisés: Eu Sou o que Sou. Disse mais: assim dirás aos filhos de Israel: Eu Sou me envio a vós!

           

            Vamos ao estudo desse verbo: (Hayah) raiz primitiva; existir, i. e., ser ou vir a ser, acontecer (sempre enfático, e não um mero verbo de ligação ou auxiliar): - Vir a ser, ser, fazer-se, alcançar, cumprir, andar fazendo, haver (semelhante), passar, dar ocasião, será que, fazer, enfraquecer, vir, seguir, suceder, ter, dura, pertencer, portai(-vos), era (apressado), ser/servir (para).

            Verbo que significa, ser feito. É usado mais de 3.500 vezes no Antigo Testamento. (mas com o erro de “SENHOR”. Grifo meu).

            Pois, onde que o TETRAGRAMA YHVH – TERIA O SIMPLES SIGNIFICADO DE “SENHOR”? Somente por acrescentação humana – tomou essa forma “ERRADA”! Para não sabermos nunca a “pronúncia correta do seu Nome”. Somente por isso! Eternizaram o termo: SENHOR! Pois como um Nome que procede dum verbo descrito acima – pode tornar-se um substantivo que virou Nome? Só e somente pela vontade humana....!!!!!! Não e nunca por vontade divina: 1Co 8,5-7: Estudo das palavras: “Senhores” e “deuses”.:

 

            - senhores – do (Grego) Kyrios – (Kyros, supremacia); supremo em autoridade, i. e. (como substantivo) controlador; (consequentemente) senhor (como título de respeito): - Deus, senhor; amo. Substantivo de Kyros (s.f.), força, poder, Senhor, amo dono.

 

            - (Theos) de origem incerta, uma divindade, especialmente a suprema divindade; (figurado) um magistrado; elo hebraico muito: excelente, Deusdeus, devoto, para Deus. Do hebraico, a resposta dos líderes de Israel como representantes de Deus na teocracia dos judeus (Jo 10,34.35, citação de Sl 82,1.6). No sentido grego: Um deus, uma divindade (At 7,43; 12,22; 14,11; 19,26; 1Co 8,4.5; Gl 4,8). Assim, SATANÁS é chamado de “o deus deste século”, o seu líder etc. (2Co 4,4). ADONAY, KYRIOS, DEUS, SENHOR SOMENTE TÍTULOS DE ACRÉSCIMOS AO TETRAGRAMA – QUE REPRESENTAM TAMBÉM O ANJO CAÍDO.... TOME CUIDADO E REFLITA SOBRE SUAS AÇÕES....NÃO QUE A BÍBLIA ESTEJA ERRADA NÃO É ISSO MAS QUE A COMPILOU ESSE SIM QUIS FAZER PARTE COM SATANÁS. E DERRUBAR SUA PALAVRA POR TERRA OK. DANIEL 8,12!!! UM CÓDIGO CIFRADO QUE POUCOS O VERIAM E CONSEGUIRIAM QUEBRAR OS GRILHÕES DO MAL....!!!!!! POIS SÓ A VERDADE LIBERTA!

 

            Veja isto: Yeshua do hebraico, nome dado ao filho do ETERNO POR VONTADE HUMANA.

            NA LÍNGUA GREGA ESSE NOME VIROU: Iêsous.

            Na transliteração para a língua portuguesa colocaram o “J” – ficando: Jehoshua.

            Como o nome não ficou bom??? O mudaram para “Jesus”.

            Só que pelos seus sacrifícios e como não por vontade humana o ETERNO lhe deu um nome acima de todo nome para que todo joelho se dobre...... e esse nome não foi por vontade humana: YAHUSHÚA! Um nome que SALVA! (At 4,12; Fp 2,9-11; Ef 4,5!!!). Reflita sobre esse estudo ok. Não desacredite na Bíblia! Mas ajude a tirar essa sujeira toda que colocarão na Palavra limpa e que Salva do ETERNO....Ok. Anselmo.

 

            P.s. Daimonion (Grego) – forma neutra de um derivado [(Dainon), de (Daio, destruidor fortunas); um demônio ou espírito sobrenatural – diabo (Mt 8,31; Mc 5,12; Lc 8,29; Ap 16,14; 18,2]; um ser demoníaco; por extensão, uma divindade: diabo, deus)!

(Por isso dou importância ao Nome...........Ok.!!!!!).

 

            EFÉSIOS 4,5; Fp 2,9-11! REFLITA SOBRE ISSO OK. E LHE DE O NOME QUE LHE É DEVIDO: YAHU!

 

            Pois, nós recebemos um Espírito que não veio de semente de corrupção, mas para nos libertar-nos da nossa própria escravidão...! Então, ouça enquanto ainda é dado esse tempo....!!! Reflita.....!!! Anselmo Estevan. {“DE NADA LHES SERVIRÁ TODO O TEMPO QUE VOCÊS VIVEREM NA FÉ SE NO ÚLTIMO MOMENTO VOCÊS NÃO ESTIVEREM PERFEITOS!”}. Mt 5,48; Lc 6,36; Lv 19,2; 1Pe 1,16: Sejam perfeitos, sejam santos........!!!!! Yahu!

 

 

            Ta vendo como são as coisas...! Mostrei esse estudo para meu colega...! Sabe qual foi a sua resposta? – “Eu chamo de Senhor”! Ok. Só que tomando esta atitude, vc. Está fazendo a vontade dos “Homens”! E, não a de um único Elohím com Nome! Falando assim vc. Está contra a Bíblia!! Não estou contra a Bíblia!!! Pois a Bíblia não é SAGRADA! Somente a ESCRITURA SAGRADA – ela sim, é “SAGRADA” – Pois é a Palavra de Deus Yahu – Revelada e Inspirada ao homem certo os profetas! A Bíblia foi COMPILADA POR HOMENS... (da Escritura Sagrada)!!! Ok. Ela, a Bíblia, somente, contém, os “Escritos Sagrados” – que infelizmente foram corrompidos por Homens...! Por isso, digo e repito – Quem não aceita a verdade agrada ao homem e não ao único Deus com Nome próprio!

 

            Rm 10,11-13: Porque a Escritura diz:

            Todo aquele que nele crer não será confundido.

            Porquanto não há diferença entre judeu e grego, porque um mesmo é o Yahu de todos ricos para com todos os que o invocam.

            Porque todo aquele que invocar o Nome de Yahu (o nome do Senhor Yahu) será salvo!

 

            Rm 9,33: Como está escrito:

            Eis que ponho em Sião uma “PEDRA” DE “TROPEÇO” e uma “ROCHA” de “ESCÂNDALO”; e todo àquele que “crer” NELA não será confundido!!!!

 

            UMA PEDRA DE TROPEÇO!

            UMA ROCHA DE ESCÂNDALO!

 

            Dois termos parecidos. Mas, um é pequeno e faz cair! O outro é grande, forte, firme – mas representa um “escândalo!”.

            DUAS ESCOLHAS. COM UMA OPÇÃO: QUEM TIVER O CONHECIMENTO SERÁ LIBERTO – POIS NÃO RECEBEMOS, NOVAMENTE, O ESPÍRITO DA ESCRAVIDÃO (ROMANOS 8,15)! A ESCOLHA É SUA!!!! (1Sm 2,2; 1Pe 2,8; 1Ts 5,9; Rm 9,16-24).

 

            Veja como a “língua” hebraica é tida como: SAGRADA! Ao invés da “língua” grega: Ex.: Rm 8,1: Portanto, agora, nenhuma condenação há para os que estão em o Ungido (Christós) Yahushúa, que não andam segundo a carne, mas segundo o espírito (PNEUMA).

 

            Rm 8,5: Porque os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito (PNEUMA).

 

            SENDO ASSIM – TANTO O “ESPÍRITO SANTO – DO ETERNO”, COMO O NOSSO espírito – RECEBE O MESMO SIGNIFICADO....TANTO OS ANJOS, COMO ATÉ “SATANÁS” – FORMA ESPIRITUAL...!!!

            AGORA, NO HEBRAICO, HÁ UMA GRANDE DIFERENÇA: - NOSSO ESPÍRITO – FÔLEGO DE VIDA É: RÛAH.

            O “ESPÍRITO DO ETERNO (ESPÍRITO SANTO) É: RÚKHA hol – RODSHUA!”. Grande diferença não!

 

            Pneuma: Uma corrente de ar, i.e., sopro (golpe de vento) ou uma brisa; (por analogia ou figurado) um espírito, i.e. (humano) a alma racional (por implicação) princípio vital, disposição mental etc., ou (sobre-humano) um anjo, demônio, ou (DIVINO) Deus, o espírito de Maschiyah, o Espírito Santo....!!! Anselmo Estevan.

 

Bíblias de Estudo de Genebra Edição Revista e Ampliada – Bíblia hebraica torah – Peshitta. Foram consultadas nesta obra. Feita por: Anselmo Estevan com grifos meus nos Nomes Da Trindade!




v. versículo

[1]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005

V. versículo

[2]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005

V. versículo

[3]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005

[4]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005

hebr. hebraico

gr. grego

NT Novo Testamento

RA Almeida Revista e Atualizada

NTLH Nova Tradução na Linguagem de Hoje

[5]Kaschel, Werner ; Zimmer, Rudi: Dicionário Da Bíblia De Almeida 2ª Ed. Sociedade Bíblica do Brasil, 1999; 2005

V. ver

V. ver

RC Almeida Revista e Corrigida

[6]Kaschel, Werner ; Zimmer, Rudi: Dicionário Da Bíblia De Almeida 2ª Ed. Sociedade Bíblica do Brasil, 1999; 2005

V. ver

A destruição de Israel 13.1-16
O profeta condena os efraimitas (v. 1) porque adoravam deuses falsos (vs. 2-3) e anuncia que o Senhor Deus vai acabar com o povo de Israel (v. 9).

13.1 tribo de Efraim Uma das mais poderosas tribos do Reino do Norte (Js 24.30; Jz 8.1-3; 12.1-6; 1Sm 1.1—2.11).

13.2 beijar... bezerros de metal Em sinal de adoração (1Rs 19.18).

13.3 a cerração... o orvalho Os 6.4. a palha... que o vento leva embora Sl 1.4.

[7]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Os 13:3

[8]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005

[9]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005

[10]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005

[11]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005

AT Antigo Testamento

[12]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005

17 10.17 o Senhor tinha dito a Elias 1Rs 21.21-22,24.

10.19 reúnam... todos os profetas de Baal 1Rs 18.19-40.

21 10.21 templo de Baal Construído pelo rei Acabe, marido de Jezabel (1Rs 16.32).

25 10.25 que nenhum escape! 1Rs 18.40.

27 10.27 até hoje Isto é, até a época em que este texto foi escrito.

10.29 touros de ouro... em Betel e em Dã Ver 1Rs 12.28, n.; 12.29, n.

34 10.34 História dos Reis de Israel Ver 1Rs 14.19, n.

[13]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. 2Rs 11

A rainha Atalia, de Judá 11.1-16
Atalia, viúva do rei Jeorão, foi rainha de Judá de 841 a 835 a.C. (2Cr 22.10—23.15). Ela era filha do rei Acabe, de Israel (8.18). Isso explica por que ela mandou matar todos os parentes de Acazias, seu filho (v. 1): ela queria mesmo era terminar com a família real do Reino de Judá, isto é, os descendentes do rei Davi. Mas Joás, um dos filhos de Acazias e neto de Atalia, conseguiu escapar (v. 2).

As reformas de Joiada 11.17-21
Agora que o Reino de Judá estava livre da influência de Acabe e Jezabel, o Grande Sacerdote Joiada começou a fazer as devidas reformas, começando por uma aliança entre o Senhor Deus, e o rei, e o povo (v. 17).

17 11.17 o Senhor Ver 2Rs 1.4, n.

18 11.18 despedaçaram os altares e os ídolos Algo bem natural para um povo que havia feito uma aliança com o Senhor Deus (v. 17).

[14]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. 2Rs 11:18

27 10.27 até hoje Isto é, até a época em que este texto foi escrito.

[15]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. 2Rs 10:27

O reinado de Oséias, de Israel 17.1-4
Oséias, o último rei de Israel, matou o rei Peca e ficou no lugar dele como rei (15.30). Ele foi rei de 732 a 723 a.C. O profeta Oséias criticou severamente a política do rei Oséias, que procurou a ajuda do Egito e da Assíria (Os 7.11; 12.1).

17.10 morros e... árvores que dão sombra Coisas que o povo do Reino do Sul também havia feito (1Rs 14.23; ver 2Rs 16.4, n.).

12 17.12 o Senhor havia proibido Êx 20.23; 23.13.

13 17.13 meus servos, os profetas 1Rs 13; 14.1-16; 16.1-7; 2Rs 1.8.

14 17.14 foram teimosos Jr 7.26; 17.23; 19.15.

15 17.15 Adoraram ídolos sem valor e... eles mesmos ficaram sem valor Jr 2.5; Rm 1.18-32.

16 17.16 dois touros de metal 1Rs 12.28.

17 17.17 Queimaram os seus filhos e filhas Ver 2Rs 16.3, n.

19 17.19 mesmo o povo de Judá Aqui o autor antecipa a futura queda de Judá, o Reino do Sul.

21 17.21 o Senhor Deus separou Israel de Judá A divisão entre o Norte e o Sul, que aconteceu depois da morte de Salomão (1Rs 12.19), é vista como castigo que Deus mandou por causa da desobediência de Salomão (1Rs 11.30-33). colocaram Jeroboão... como seu rei 1Rs 12.15-20.

23 17.23 moram até hoje Isto é, até a época em que este texto foi escrito. Depois disso, as dez tribos do Norte desapareceram.

Os assírios vão morar em Israel 17.24-41
Para acabar com o espírito nacionalista em territórios ocupados, os reis da Assíria tratavam de transferir os povos dominados de um lugar para outro. Assim, os israelitas foram levados para a Assíria (17.6), e outros povos foram levados para as cidades de Samaria (ver v. 24, n.). Esses novos habitantes foram os antepassados dos samaritanos.

24 17.24 Cutá Ficava bem perto da cidade de Babilônia. Iva, Hamate e Sefarvaim Cidades da região norte da Síria (2Sm 8.9; 2Rs 18.34). Samaria O nome da capital (v. 5) passou a ser o nome do Reino do Norte.

29 17.29 samaritanos Esta é a primeira vez que se usa esta palavra para falar sobre os habitantes de Samaria, o Reino do Norte.

34 17.34 Até hoje Isto é, até a época em que este texto foi escrito. o nome de Israel Gn 32.28; 35.10.

35 17.35 Não adorem outros deuses Êx 20.5; Dt 5.9.

36 17.36 Obedeçam a mim Dt 6.13.

41 17.41 até hoje Isto é, até a época em que este texto foi escrito. continuam a fazer a mesma coisa Por isso, no tempo de Esdras, não se aceitou a ajuda deles na reconstrução do Templo (Ed 4.1-3).

[16]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. 2Rs 17:41

16 17.16 dois touros de metal 1Rs 12.28.

17 17.17 Queimaram os seus filhos e filhas Ver 2Rs 16.3, n.

[17]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. 2Rs 17:17

33 8.33 os deuses dos cananeus Ao pé da letra, o texto original hebraico diz “os Baals” (ver Jz 2.11, n.). Baal-Berite Significa “Baal da aliança”.

[18]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Jz 8:33

9.4 templo de Baal-Berite Jz 8.33.

[19]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Jz 9:4

[20]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Js 11:17

Os reis vencidos por Josué 12.7-24
Esta seção fala sobre o território situado a oeste do rio Jordão, conquistado por Josué. Algumas cidades citadas nesta lista não aparecem nos capítulos anteriores. Aqui, termina a primeira divisão do livro (caps. 1—12).

[21]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Js 12:7

[22]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Js 13:5

11 8.11 Salomão Ele volta a ser mencionado no final do livro (ver Ct 1.1, n.). barras de prata Em hebraico, siclos. O siclo era a unidade de prata pura que pesava 11,4 gramas.

[23]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Ct 8:11

23 13.23 cortando a lã das suas ovelhas Tempo de festa (1Sm 25.4-13). Baal-Hazor Situada a nordeste de Betel, a uns 25 km ao norte de Jerusalém.

[24]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. 2Sm 13:23

3.3 cinco cidades dos filisteus São as cidades de Gaza, Asdode, Asquelom, Gate e Ecrom (Js 13.3).

[25]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Jz 3:4

O povo de Manassés do Leste 5.23-24
Metade da tribo de Manassés ficou morando do lado leste do rio Jordão, ao norte do território de Gade (ver vs. 11-17, n.), e era conhecida como o povo de Manassés do Leste (Js 13.29-31; ver Js 22.7, n.). A outra metade da tribo aparece em 7.14-19.

[26]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. 1Cr 5:23

[27]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Nm 32:38

5.8 Aroer... Baal-Meom Js 13.9,16-17.

[28]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. 1Cr 5:8

10 25.10 e assim Moabe não será mais O texto hebraico traz: “e assim Amom não será mais”.

[29]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Ez 25:10

25.3 o deus Baal-Peor Ver Nm 23.28, n. o Senhor Ver Nm 1.1, n.

25.4 os chefes Êx 18.21-26. a minha ira... acabará A epidemia já tinha começado (vs. 8-9).

[30]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Nm 25:4

[31]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Nm 25:5

4.3 perto do monte Peor... adoraram o deus Baal Nm 25.1-17; ver Dt 3.29, n.

[32]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Dt 4:4

28 106.28 o povo... se ajuntou no monte Peor Nm 25.1-13. Peor Monte situado em Moabe, que ficava do lado leste do rio Jordão. Baal Deus da fertilidade, adorado em culto imoral pelos cananeus. Sua companheira era Aserá (ver Dicionário). sacrifícios... a deuses Ver v. 37, n.; 2Cr 28.4; Sl 16.4; Jr 11.13; 19.5.

[33]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Sl 106:28

As conseqüências do pecado de Israel 9.10-14
As expectativas de Deus em relação ao povo não se cumpriram (vs. 10,13). Por isso, ele anuncia o castigo que vai mandar (vs. 11-12), e o profeta pede a Deus que castigue o povo (v. 14).

10 9.10 acha uvas no deserto Isso raramente acontece. monte Peor Nm 25.1-5.

[34]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Os 9:10

20 5.20 Baal-Perazim Baal quer dizer “Senhor” (ou, “Deus”), e Perazim vem do verbo hebraico paraz, que quer dizer “abrir uma brecha”. Essa vitória ainda era lembrada nos dias do profeta Isaías (Is 28.21).

[35]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. 2Sm 5:20

11 14.11 Baal-Perazim Ver 2Sm 5.20, n.

[36]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. 1Cr 14:11

33 20.33 Gibeá Segundo uma versão antiga; o texto hebraico traz “Geba”.

[37]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Jz 20:34

1.2 Acazias Rei de Israel de 853 a 852 a.C. Samaria A capital do Reino de Israel (ver 1Rs 21.1, n.). Baal-Zebube O nome significa “o senhor das moscas”. Parece que o escritor está debochando do deus dos filisteus, cujo nome provavelmente era “Baal-Zebul”, que significa “Baal, o príncipe”. Em Mc 3.22 e Lc 11.15,18, Belzebu é o chefe dos demônios. o deus... de Ecrom Ecrom era uma das cinco cidades dos filisteus (1Sm 6.17) e ficava a uns 35 km a oeste de Jerusalém. Naquele tempo, cada cidade tinha o seu próprio deus.

[38]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. 2Rs 1:2

1.3 Elias, o profeta de Tisbé 1Rs 17.1.

[39]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. 2Rs 1:3

[40]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. 2Rs 1:6

[41]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. 2Rs 1:16

14.2 Pi-Hairote... Migdol... Baal-Zefom Não é possível saber com certeza onde ficavam essas cidades; provavelmente, na fronteira do Egito.

[42]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Êx 14:3

14.9 Pi-Hairote e... Baal-Zefom Ver v. 2, n.

[43]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Êx 14:9

[44]Sociedade Bíblica do Brasil: Bíblia De Estudo Nova Tradução Na Linguagem De Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005; 2005, S. Nm 33:7



Leia mais: http://anselmo-r.webnode.com/estudando-o-termo-baal-/
Crie seu site grátis: http://www.webnode.com.br

Exibições: 89

Comentar

Você precisa ser um membro de Uniao de Blogueiros Evangelicos para adicionar comentários!

Entrar em Uniao de Blogueiros Evangelicos

Comentário de anselmo estevan em 15 dezembro 2012 às 12:46
Comentário de anselmo estevan em 15 dezembro 2012 às 11:34

SE SEU NOME É BLASFEMADO!

SE SEU POVO NUNCA PROFERIU SEU NOME!

SE POR ESSE MOTIVO OS OUTROS POVOS DA TERRA TODA FIZERAM AS TRADUÇÕES E TRANSLITERAÇÕES PARA OUTRAS LÍNGUAS... ATRAVÉS DA VULGATA E SEPTUAGINTA...!!!

SE OS SINAIS MASORÉTICOS APARECERAM SOMENTE E A PARARTIR DO SÉCULO VI EM DIANTE...!!!

ETC....!

POR QUE E ONDE SEU NOME É BLASFEMADO!

(Rm 2,24; Is 2,10-18; 3,7.17; 7,18.20-21.23; 11,10-11; 24,21; 26,8; 27,1; 42,8; 52,5-6; Ez 16,27; 36,20-23; Os 2,16; Mq 4,5; Zc 14,9; Ml 1,6; 2,1-3; 2 Co 4,1-6; Dn 8,12; Jo 8,44-59; Rm 1,18-27; Rm 16,17; 1Co 5,7-11; Êx 20,1-17; Rm 10,13; Mt 22,36-38; Zc 7,12-14; Os 4,6; Jd 12; Mt 7,16-23; 1Co 11,20-34; 2Pe 2,13; Rm 11,1-4; 1Rs 18; 19,18; Rm 11,9-36; 1Co 8,4-7; Lv 24,10-16; Dt 28,15-43.58-59; Ef 4,5; At 4,12; 17,23; Fp 2,9-11; Êx 3,15; 6,1-3; Rm 2,4; Jo 1,1-14; Ap 2,9; 13,1.5-7; 16,17; 17,13; 19,13; 2Ts 2,11-12).

Êx 20,1-17; Dt 6,4-5; 1Rs 18; 19,18; Is 26,8; 42,8; Os 4,6; 2,16; Zc 7,12-14; Mt 22,36-38; Mc 12,29-30; Mc 12,33; At 4,12; 17,23; Rm 2,24; 10,2-3; 11,1-4; 15,4; Ef 4,5; Fp 2,9-11; 2Tm 3,16-17; Tg 1,22-25; Ap 17,13!

VOCÊ PODE RESPONDER ESSA PERGUNTA DA ESCRITURA SAGRADA QUE NÃO QUER SE CALAR????

© 2014   Criado por UBE/Administrador.

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço