Uniao de Blogueiros Evangelicos

LIÇÃO 9, DÍZIMOS E OFERTAS
Lições Bíblicas do 1º Trimestre de 2012 - CPAD - Jovens e Adultos
A Verdadeira prosperidade - A vida cristã abundante
Comentários da revista da CPAD: Pr. José Gonçalves
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
Complementos, ilustrações, questionários e videos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
QUESTIONÁRIO
Veja também
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao7-dvc-dizimoseofer...
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao10-mordomia-amordo...

TEXTO ÁUREO
“Cada um contribua segundo propôs no seu coração, não com tristeza ou por necessidade; porque DEUS ama ao que dá com alegria” (2 Co 9.7).

VERDADE PRÁTICA
A chave da verdadeira prosperidade está em ser fiel a DEUS em tudo, inclusive, na prática dos dízimos e das ofertas.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - 1 Co 9.13 A liberalidade no ofertar
Terça - Gn 28.22 A prática dos dízimos e ofertas precede a lei
Quarta - Gn 14.20 Dízimos e ofertas como gratidão
Quinta - 2 Co 9.8 Dízimos e ofertas em toda boa obra
Sexta - Ml 3.10,11 Dízimos e ofertas e a bênção da proteção
Sábado - Jl 2.25 Dízimos e ofertas e a bênção da restituição

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Malaquias 3.10,11; 2 Coríntios 9.6-8.
Malaquias 3
10 - Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós uma bênção tal, que dela vos advenha a maior abastança.11 - E, por causa de vós, repreenderei o devorador, para que não vos consuma o fruto da terra; e a vide no campo não vos será estéril, diz o SENHOR dos Exércitos.

2 Coríntios 9
6 - E digo isto: Que o que semeia pouco pouco também ceifará; e o que semeia em abundância em abundância também ceifará.7 - Cada um contribua segundo propôs no seu coração, não com tristeza ou por necessidade; porque DEUS ama ao que dá com alegria.8 - E DEUS é poderoso para tornar abundante em vós toda graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, toda suficiência, superabundeis em toda boa obra.

É uma vergonha ver como as igrejas evangélicas hoje aplicam seus recursos. O enriquecimento de seus líderes é visto e conhecido por todos sem nenhum tipo de cuidado (para não dizer vergonha), pois se consideram reis da prosperidade financeira, sem impostos e sem cobrança de qualquer pessoa. Creio que já chegou a hora dos membros começarem a dar palpite na administração que é feita por pastor sem capacidade para administrar corretamente os bens da Igreja de CRISTO. Igrejas com pastores de caminhonete zero, mansões, mas, sem missionários, sem dependências pára escola bíblica dominical, sem instrumentos e sonorização adequada, sem assentos dignos, sem climatização, sem capacidade para se fazer cruzadas e sem verba para divulgação, sem salários dignos para seus funcionários que muitas vezes, e na maioria das vezes, nem carteira assinada têm; isso é demais para nossas pobres mentes cristãs.
Para onde está indo os dízimos e ofertas? para a obra de DEUS é que não é. Pastores, se vocês não quiserem ver a grana sumir, comecem a administrar as coisas de DEUS com zelo e temor!
Sabemos que os dízimos são dados à Igreja e na Igreja, mas o mínimo de senso crítico devemos ter ao depararmos com a atual situação da Igreja. Falta dinheiro para tudo, menos para uns poucos privilegiados.
Até quando meu DEUS? Ajude-nos a continuar contribuindo sem olharmos para os que recebem, sabendo que estamos dando para o SENHOR e não para eles. ficando cada dia mais difícil!

Só para constar:
Existem ofertas que damos sem saber onde vão ser aplicadas e existem ofertas que damos direcionando para alguma coisa que detectamos ser necessário (ex. relógio da parede, mesa, tapete, lâmpada, cortina, projetor, quadro, giz, cartolina, cadeira, telha, tijolo, etc...)

PORQUE SOU DIZIMISTA?
1. Sou Dizimista porque o Dízimo é SANTO. Lv 27.30 Também todos os dízimos da terra, quer dos cereais, quer do fruto das árvores, pertencem ao senhor; santos são ao Senhor. 31 Se alguém quiser remir uma parte dos seus dízimos, acrescentar-lhe-á a quinta parte. 32 Quanto a todo dízimo do gado e do rebanho, de tudo o que passar debaixo da vara, esse dízimo será santo ao Senhor.
2. Sou Dizimista porque quero ser participante das grandes bênçãos. Ml 3.11 Também por amor de vós reprovarei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra; nem a vossa vide no campo lançará o seu fruto antes do tempo, diz o Senhor dos exércitos. 12 E todas as nações vos chamarão bem-aventurados; porque vós sereis uma terra deleitosa, diz o Senhor dos exércitos.
3. Sou Dizimista porque amo a obra de DEUS na face da Terra. Ml 3.10 Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós tal bênção, que dela vos advenha a maior abastança.
4. Sou Dizimista porque não quero ser amaldiçoado. Ml 3.9 Vós sois amaldiçoados com a maldição; porque a mim me roubais, sim, vós, esta nação toda.
5. Sou Dizimista porque DEUS é dono de tudo. Sl 24. 1 Do Senhor é a terra e a sua plenitude; o mundo e aqueles que nele habitam.
6. Sou Dizimista porque eu mesmo vou gozá-lo na casa de DEUS. Dt 14.23 E, perante o Senhor teu DEUS, no lugar que escolher para ali fazer habitar o seu nome, comerás os dízimos do teu grão, do teu mosto e do teu azeite, e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas; para que aprendas a temer ao Senhor teu DEUS por todos os dias.
7. Sou Dizimista porque mais bem-aventurado é dar do que receber. At 20.35 Em tudo vos dei o exemplo de que assim trabalhando, é necessário socorrer os enfermos, recordando as palavras do Senhor JESUS, porquanto ele mesmo disse: Coisa mais bem-aventurada é dar do que receber.
8. Sou Dizimista porque DEUS ama ao que dá com alegria. 2 Co 9.7 Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, nem por constrangimento; porque DEUS ama ao que dá com alegria.
9. Sou Dizimista porque tudo vem das Mãos de DEUS. 1Cr 29.14 Mas quem sou eu, e quem é o meu povo, para que pudéssemos fazer ofertas tão voluntariamente? Porque tudo vem de ti, e do que é teu to damos.
10. Sou Dizimista porque não sou avarento. 1 Tm 6. 10 Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores
11. Sou Dizimista porque meu rico tesouro está no céus. Mt 6.19-21 19 Não ajunteis para vós tesouros na terra; onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões minam e roubam; 20 Mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consumem, e onde os ladrões não minam nem roubam. 21 Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração.
12. Sou Dizimista porque tudo que peço recebo. Mt 7.7-9. 7 Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei e abrir-se-vos-á. 8 Pois todo o que pede, recebe; e quem busca, acha; e ao que bate, abrir-se-lhe-á. 9 Ou qual dentre vós é o homem que, se seu filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra?
13. Sou Dizimista porque obedeço a DEUS. At 5.29 Respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Importa antes obedecer a DEUS que aos homens. Pv 10. 22 A bênção do Senhor é que enriquece; e ele não a faz seguir de dor alguma.
14. Sou Dizimista porque a benção de DEUS é que enriquece. Pv 10:22 A bênção do Senhor é que enriquece; e ele não a faz seguir de dor alguma.
15. Sou Dizimista porque para cada lei, DEUS promete recompensa. Sl 19. 7 A lei do Senhor é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do Senhor é fiel, e dá sabedoria aos simples
16. Sou Dizimista porque receberei de DEUS com a mesma medida. Lc 6. 33 E se fizerdes bem aos que vos fazem bem, que mérito há nisso? Também os pecadores fazem o mesmo
17. Sou Dizimista porque os pensamentos de DEUS são mais altos que os meus. Is 55. 9 Porque, assim como o céu é mais alto do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos.
18. Sou Dizimista porque DEUS me escolheu e me nomeou. Jo 15. 16 Vós não me escolhestes a mim mas eu vos escolhi a vós, e vos designei, para que vades e deis frutos, e o vosso fruto permaneça, a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda.
19. Sou Dizimista porque DEUS diz: "Fazei prova de Mim" . Ml 3. 10 Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós tal bênção, que dela vos advenha a maior abastança.
20. Sou Dizimista porque minha descendência não vai mendigar o pão. Sl 37. 25 Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua descendência a mendigar o pão.
21. Sou Dizimista porque meu salário não será posto em saco furado. Ag 1. 6 Tendes semeado muito, e recolhido pouco; comeis, mas não vos fartais; bebeis, mas não vos saciais; vestis-vos, mas ninguém se aquece; e o que recebe salário, recebe-o para o meter num saco furado.
22. Sou Dizimista porque é minha responsabilidade o sustento da igreja. Ml 3. 10 Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós tal bênção, que dela vos advenha a maior abastança.
23. Sou Dizimista porque quero ter a consciência tranqüila. 1Tm 1. 19 conservando a fé, e uma boa consciência, a qual alguns havendo rejeitado, naufragando no tocante à fé;
24. Sou Dizimista porque tudo o que o homem plantar, isso ceifará. Gl 6. 7 Não vos enganeis; DEUS não se deixa escarnecer; pois tudo o que o homem semear, isso também ceifará.
25. Sou Dizimista porque DEUS suprirá todas as minhas necessidades. Fl 4. 19 Meu DEUS suprirá todas as vossas necessidades segundo as suas riquezas na glória em CRISTO JESUS.
Na verdade na nova aliança tudo o que é meu, não é meu, mas de DEUS, eu administro e aplico na obra.
Estudo adquirido a partir de www.estudosbiblicos.com

RESUMO:
1- O que é Dízimo?
Corresponde à décima parte do que se arrecada.

2- Porque dar ou entregar o Dízimo?
Não sei se a palavra certa seria dar, ou pagar, ou entregar, mas basicamente quando alguém sente o desejo de ajudar a obra de DEUS, reconhecendo em seus líderes pessoas que estão vivendo exclusivamente pela causa do mestre JESUS; levam sua contribuição ao templo ou congregação para que haja mantimento e suficientes fundos para as despesas na obra de DEUS, isso sempre agradecidos a DEUS, sabendo que é DELE mesmo que receberam aquilo que estão devolvendo.

3- Todos os membros biblicamente são "obrigados" a dar o Dízimo?
Ninguém é obrigado a dar o dízimo. O dízimo é uma opção de ajuda na obra de DEUS, devendo o dizimista ter em mente de que é apenas um mordomo de DEUS aqui na terra, aplicando seus rendimentos provindos de DEUS, na obra do próprio DEUS e não se esquecendo que tudo o que temos ou possuímos devemos ao próprio DEUS e devemos não só dar o dízimo, mas também ofertas para que o trabalho do Senhor não seja prejudicado e sempre possa progredir na evangelização dos povos.

" MAIS BEM-AVENTURADA COISA É DAR DO QUE RECEBER!" (JESUS)
"Do Senhor é a terra e a sua plenitude; o mundo e aqueles que nele habitam" (Sl 24.1).
LEITURA BÍBLICA: I Tm 6.6-10

MORDOMIA CRISTÃ
Há uma grande diferença entre POSSE e MORDOMIA: DEUS é o possuidor de todas as coisas (Gn 14.19-22; Sl 24.1; 50.1-12; 68.19; 89.11; Ag 2.8). Enquanto Mordomia implica que não somos donos; somos apenas mordomos responsáveis que devem prestar contas (Mt 25.14-30;
Lc 19.11-26). Temos diferentes relações entre dono-mordomo:
a) Vida, o que recebemos (Gn 1.27-28; At 17.25; Tg 1.17).
b) Tempo, o que nos foi outorgado (Pv 24.30-34); Sl 90:12).
c) Talentos, o que nos foi dado para usar (Mt 25.14-30).
d) Possessões, o que nos é confiado (Mt 6.19-21; Co 3.1- 2).
e) Finanças, o que ganhamos com o nosso trabalho (I Co 16.1-2).
Para sermos um bom mordomo são necessários os requisitos:
a) Fidelidade (I Co 4.1-2).
b) Disposição a receber ensino (Sl 27.11).
c) Desejo de servir as pessoas (Rm 12.10-13).
d) Um coração de servo (Gl 5.13).
e) Disposição para dar (Lc 6.38).

AS FINANÇAS
A questão financeira tem um tratamento bíblico bastante sério:
a) Os Evangelho contém mais advertências contra o dinheiro e seu mau uso do que contra qualquer outro assunto.
b) Um em cada seis versículos do N.T. faz alguma referência ao dinheiro.
c) Quase a metade das parábolas de JESUS tem alguma referência a dinheiro, especialmente advertência contra a cobiça.
d) Judas vendeu CRISTO por dinheiro, que nunca chegou a usá-lo.
e) Satanás na cena da glória da igreja primitiva através do dinheiro, quando se vivia um ambiente de doação (At 5:1-10).
f) O pecado de "Simonia" refere-se a dinheiro e a tentar comprar os dons de DEUS com ele (At 8:14-24).
g) Riqueza e tradição (Ap 13:16-18), são palavras ligadas ao poder de comprar e vender. Em si o dinheiro não é mau. É o amor ao dinheiro que é a raiz de todos os males (I Tm 6.7- 10).

DÍZIMOS E OFERTAS
As Escrituras dizem o seguinte sobre dízimos e ofertas:
a) Devemos trazer nossos dízimos e ofertas à tesouraria da casa de DEUS (casa do tesouro, Ml 3.7- 12).
b) A casa de DEUS é o lugar onde o povo de DEUS é "alimentado".

O dízimo é para nossos dias? Sim, tanto no V.T. como no N.T. os participativos devem entregar o dízimo das suas rendas:
I ) O DÍZIMO ANTES DA LEI
a) Abraão (sob aliança, Gn 14:18-20).
b) Jacó (sob aliança, Gn 28:22).
II) O DÍZIMO SOB A LEI: Israel, aliança mosaica (Lv 27.30-33; Nm 18.20-24; 25-32).
III) O DÍZIMO SOB A GRAÇA: JESUS confirmou o dízimo. O dízimo não era da lei, mas antes da lei (Mt 23.33; Lc 11:42; 18.12; Hb 7.1-21).
"Roubará o homem a DEUS? todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos: Nos dízimos e nas ofertas. Com maldição sois amaldiçoados, porque me roubais a mim, vós, toda a nação. Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento n a minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não derramar sobre vós uma bênção tal, que dela vos advenha a maior abastança" (Ml 3.8-10).

PRINCÍPIOS DO DAR
a) Dar-nos primeiramente ao Senhor (II Co 8.5).
b) Dar de boa vontade (II Co 8:3-12).
c) Dar com alegria (II Co 9:7).
d) Dar com generosidade, com liberalidade (II Co 8.2; 9.13).
e) Dar proporcionalmente (II Co 9.6; 8.14-15).
f) Dar regularmente (I Co 16.1-2).
g) Dar sistematicamente (II Co 9.7).
h)Dar com amor (II Co 8.24).
i) Dar com gratidão (II Co 9.11-12).
j) Dar como ministração ao Senhor e seus santos (II Co 9.12- 13).
DESTAQUE: O que dá pela LEI, dá por obrigação. O que dá por AMOR, dá por prazer. Louvado seja DEUS.

CONCLUSÃO
Hoje alguns grupos, até evangélicos, vivem uma verdadeira exploração das pessoas bem intencionadas, em relação ao dinheiro. Há denominações que administram bem os seus dízimos e ofertas, à estas que o tempo já demonstrou responsabilidade e compromisso com o Reino de DEUS, são dignas de receberem os dízimos e ofertas de seus membros, porque neste caso está administrando o trabalho e a dignidade de vida de cada um. Sejamos dizimistas.
http://www.geocities.com/Athens/Academy/3958/doutrinas/dizimo.htm

MELQUISEDEQUE ABENÇOA ABRAÃO
Ao voltar vitorioso da guerra, Abraão encontrou-se com Melquisedeque.
1. Quem era Melquisedeque?
Era rei de Salém e sacerdote do DEUS Altíssimo (Gn 14.18). Certamente era um rei cananita que servia o DEUS verdadeiro. (SC)

2. Melquisedeque, um tipo de CRISTO.
Consideremos alguns pontos de coincidência entre os dois: **Feito semelhante ao Filho de DEUS * * (Hb 7.3).
a) Seu nome. Melquisedeque significa "rei de justiça". JESUS é a nossa justiça (Jr 23.6). Ele é Rei (l Tm 6.15). Melquisedeque era rei de paz. JESUS é o Príncipe da Paz (Is 9.6). Ele é a nossa Paz (Ef 2.14).
b) Seu ministério. A investidura de Melquisedeque no sacerdócio do DEUS Altíssimo não estava vinculada à condição de pertencer à tribo de Lê vi, pois este ainda nem existia. Melquisedeque era cananeu. DEUS falou por Davi uma mensagem profética a respeito de JESUS: Tu és sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque" (SI 110.4). Assim como Melquisedeque, CRISTO foi chamado por DEUS para ser o Sumo Sacerdote.sem ter vínculo com a tribo de Levi. JESUS, enquanto homem ,nasceu na tribo de Judá.
c) Sua genealogia. "Sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio nem fim de dias" (Hb 7.3). Estes dados acerca de Melquisedeque não ficaram registrados na história da sua vida. E esta omissão foi aproveitada pelo ESPÍRITO SANTO como uma alegoria de CRISTO, o qual é DEUS de eternidade a eternidade e não teve pai terreno (SI 90.2).
d) Seu ministério gentílico. Melquisedeque era cananeu e. portanto. sacerdote em um país gentílico. CRISTO veio para trazer salvação a todos os homens, isto inclui os gentios. **E no seu nome os gentios esperarão" (Mt 12.21).
e) Melquisedeque confortou Abraão com pão e vinho (Gn 14.18). CRISTO nos convida à sua mesa, para com o pão e o vinho, símbolos de sua morte, tonificar a vida daqueles que estão empenhados numa luta que não é contra a carne e o sangue, mas. sim. contra as hostes espirituais da maldade nos lugares celestiais (Ef 6.12).

Genesis 14.20 - E bendito seja o DEUS Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos! E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo.

3. A bênção sobre Abraão. Melquisedeque abençoou Abraão em nome do DEUS Altíssimo (Gn 14.19). Dessa maneira, Melquisedeque glorificou a DEUS porque Ele (não a força de Abraão) havia sido a causa da vitória sobre os inimigos naquela peleja (Gn 14.20).

4. Abraão» o dizimista. Abraão pagou o dízimo do despojo a Melquisedeque (Gn 14.20). Isto ele fez porque DEUS lhe havia revelado o valor espiritual de Melquisedeque. Foi assim que Abraão encontrou-se pela primeira vez com um homem de DEUS, desde que iniciou a sua caminhada de fé, e deve ter experimentado uma profunda comunhão espiritual, e deve ter saído deste encontro enriquecido em sua vida espiritual. É assim que deve ser entre os verdadeiros servos de DEUS (Rm 1.11.12).

DÍZIMOS E OFERTAS (CPAD - BEP)
Ml 3.10 “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós uma bênção tal, que dela vos advenha a maior abastança.”

DEFINIÇÃO DE DÍZIMOS E OFERTAS. A palavra hebraica para “dízimo” (ma’aser) significa literalmente “a décima parte”.
(1) Na Lei de DEUS, os israelitas tinham a obrigação de entregar a décima parte das crias dos animais domésticos, dos produtos da terra e de outras rendas como reconhecimento e gratidão pelas bênçãos divinas (ver Lv 27.30-32; Nm 18.21,26; Dt 14.22-29; ver Lv 27.30). O dízimo era usado primariamente para cobrir as despesas do culto e o sustento dos sacerdotes. DEUS considerava o seu povo responsável pelo manejo dos recursos que Ele lhes dera na terra prometida (cf. Mt 25.15; Lc 19.13).
(2) No âmago do dízimo, achava-se a idéia de que DEUS é o dono de tudo (Êx 19.5; Sl 24.1; 50.10-12; Ag 2.8). Os seres humanos foram criados por Ele, e a Ele devem o fôlego de vida (Gn 1.26,27; At 17.28). Sendo assim, ninguém possui nada que não haja recebido originalmente do Senhor (Jó 1.21; Jo 3.27; 1Co 4.7). Nas leis sobre o dízimo, DEUS estava simplesmente ordenando que os seus lhe devolvessem parte daquilo que Ele já lhes tinha dado.
(3) Além dos dízimos, os israelitas eram instruídos a trazer numerosas oferendas ao Senhor, principalmente na forma de sacrifícios. Levítico descreve várias oferendas rituais: o holocausto (Lv 1; 6.8-13), a oferta de manjares (Lv 2; 6.14-23), a oferta pacífica (Lv 3; 7.11-21), a oferta pelo pecado (Lv 4.1—5.13; 6.24-30), e a oferta pela culpa (Lv 5.14—6.7; 7.1-10).
(4) Além das ofertas prescritas, os israelitas podiam apresentar outras ofertas voluntárias ao Senhor. Algumas destas eram repetidas em tempos determinados (ver Lv 22.18-23; Nm 15.3; Dt 12.6,17), ao passo que outras eram ocasionais. Quando, por exemplo, os israelitas empreenderam a construção do Tabernáculo no monte Sinai, trouxeram liberalmente suas oferendas para a fabricação da tenda e de seus móveis (ver Êx 35.20-29). Ficaram tão entusiasmados com o empreendimento, que Moisés teve de ordenar-lhes que cessassem as oferendas (Êx 36.3-7). Nos tempos de Joás, o sumo sacerdote Joiada fez um cofre para os israelitas lançarem as ofertas voluntárias a fim de custear os consertos do templo, e todos contribuíram com generosidade (2Rs 12.9,10). Semelhantemente, nos tempos de Ezequias, o povo contribuiu generosamente às obras da reconstrução do templo (2Cr 31.5-19).
(5) Houve ocasiões na história do AT em que o povo de DEUS reteve egoisticamente o dinheiro, não repassando os dízimos e ofertas regulares ao Senhor. Durante a reconstrução do segundo templo, os judeus pareciam mais interessados na construção de suas propriedades, por causa dos lucros imediatos que lhes trariam, do que nos reparos da Casa de DEUS que se achava em ruínas. Por causa disto, alertou-lhes Ageu, muitos deles estavam sofrendo reveses financeiros (Ag 1.3-6). Coisa semelhante acontecia nos tempos do profeta Malaquias e, mais uma vez, DEUS castigou seu povo por se recusar a trazer-lhe o dízimo (Ml 3.9-12).

A ADMINISTRAÇÃO DO NOSSO DINHEIRO. Os exemplos dos dízimos e ofertas no AT contêm princípios importantes a respeito da mordomia do dinheiro, que são válidos para os crentes do NT.
(1) Devemos lembrar-nos que tudo quanto possuímos pertence a DEUS, de modo que aquilo que temos não é nosso: é algo que nos confiou aos cuidados. Não temos nenhum domínio sobre as nossas posses.
(2) Devemos decidir, pois, de todo o coração, servir a DEUS, e não ao dinheiro (Mt 6.19-24; 2Co 8.5). A Bíblia deixa claro que a cobiça é uma forma de idolatria (Cl 3.5).
(3) Nossas contribuições devem ser para a promoção do reino de DEUS, especialmente para a obra da igreja local e a disseminação do evangelho pelo mundo (1Co 9.4-14; Fp 4.15-18; 1Tm 5.17,18), para ajudar aos necessitados (Pv 19.17; Gl 2.10; 2Co 8.14; 9.2; ver o estudo O CUIDADO DOS POBRES E NECESSITADOS), para acumular tesouros no céu (Mt 6.20; Lc 6.32-35) e para aprender a temer ao Senhor (Dt 14.22,23).
(4) Nossas contribuições devem ser proporcionais à nossa renda. No AT, o dízimo era calculado em uma décima parte. Dar menos que isto era desobediência a DEUS. Aliás equivalia a roubá-lo (Ml 3.8-10).
Semelhantemente, o NT requer que as nossas contribuições sejam proporcionais àquilo que DEUS nos tem dado (1Co 16.2; 2Co 8.3,12; ver 2Co 8.2).
(5) Nossas contribuições devem ser voluntárias e generosas, pois assim é ensinado tanto no AT (ver Êx 25.1,2; 2Cr 24.8-11) quanto no NT (ver 2Co 8.1-5,11,12). Não devemos hesitar em contribuir de modo sacrificial (2Co 8:3), pois foi com tal espírito que o Senhor JESUS entregou-se por nós (ver 2Co 8.9). Para DEUS, o sacrifício envolvido é muito mais importante do que o valor monetário da dádiva (ver Lc 21.1-4).
(6) Nossas contribuições devem ser dadas com alegria (2Co 9.7). Tanto o exemplo dos israelitas no AT (Êx 35.21-29; 2Cr 24.10) quanto o dos cristãos macedônios do NT (2Co 8.1-5) servem-nos de modelos.
(7) DEUS tem prometido recompensar-nos de conformidade com o que lhe temos dado (ver Dt 15.4; Ml 3.10-12; Mt 19.21; 1Tm 6.19; ver 2Co 9.6).

INTERAÇÃO
Professor, você é um dizimista fiel? Contribuir com os dízimos e as ofertas é um grande privilégio. Precisamos fazê-lo com alegria, pois tudo que temos pertence ao Senhor. Tudo vem dEle - nosso trabalho, saúde, família. A vida já é uma dádiva divina. De que adianta contribuir por constrangimento ou legalismo? DEUS não precisa do nosso dinheiro. Ele é o dono da prata e do ouro. Temos de contribuir impulsionados pelo amor abnegado e desinteresseiro. DEUS não está preocupado com a quantia que entregamos, mas com o nível de desprendimento, sacrifício e fé. Que sejamos mordomos fiéis do Senhor, sabendo que Ele é fiel para suprir todas as nossas necessidades.

OBJETIVOS - Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Analisar a questão do dízimo e das ofertas dentro de uma perspectiva bíblica.
Conscientizar-se de que a prática do dízimo e das ofertas é uma forma de adoração ao Senhor.
Explicar os dízimos e as ofertas como fontes de bênçãos.

RESUMO DA LIÇÃO 9, DÍZIMOS E OFERTAS
I. DÍZIMOS E OFERTAS NA BÍBLIA
1. O Antigo Testamento.
2. O Novo Testamento.
II. A PRÁTICA DO DÍZIMO E DAS OFERTAS COMO FORMA DE ADORAÇÃO
1. Reconhecimento da soberania e da bondade de DEUS.
2. Reconhecimento do valor do próximo.
III. DÍZIMOS E OFERTAS COMO FONTES DE BÊNÇÃOS
1. A bênção da multiplicação.
2. A bênção da restituição.
3. A bênção da provisão.

VOCABULÁRIO
Ab-rogar: Anular, revogar.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
RICHARDS, L. O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1.ed., RJ: CPAD, 2007.
ZUCK, R. B. Teologia do Antigo Testamento. 1.ed., RJ: CPAD, 2009.

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I - Subsídio Teológico
“Embora a Bíblia revele claramente o dízimo como uma disciplina financeira divinamente ordenada, com as maravilhosas promessas que o acompanham e garantidas pelo próprio DEUS, alguns ainda fazem uma pergunta já bastante batida: ‘O dízimo não se aplica apenas ao Antigo Testamento?’
A ideia aqui expressa é que o dízimo faz parte da Lei e, portanto, não tem significado algum para os crentes do Novo Testamento. Esta resistência geralmente projeta a noção de que ensinar o pagamento do dízimo privará o cristão da sua ‘liberdade’ ou levará o crente a ‘entrar na Lei e sair da graça’. Mas a verdade do dízimo não se encontra apenas no Antigo, pois o Novo Testamento mostra-o tão apropriado para nós, hoje, quanto para os crentes do passado. A Palavra de DEUS revela que todas as suas bênçãos e alianças pertencem à graça, não à lei. O próprio JESUS referiu-se à questão do dízimo. Está registrado em dois livros do Novo Testamento: Mateus e Lucas.
JESUS tratava com os fariseus, um grupo de religiosos radicais que se limitavam à letra da Lei sem atender às exigências espirituais. JESUS observou que eles na verdade davam o dízimo, mas atacou a sua suposição de que a obediência a um ‘ritual’ liberava-os da realidade maior: a obediência às responsabilidades do amor.
[...] O dízimo pode ter começado no Antigo Testamento, mas seu espírito, verdade e prática, continuam válidos” (HAYFORD J.A Chave de Tudo. 1.ed., RJ: CPAD, 1994, pp.93-4).

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II - Subsídio Teológico
“A prática do dízimo ensinada no Novo Testamento
Há três referências do dízimo no Novo Testamento. Duas delas são paralelas e se referem ao ensino de JESUS dado aos fariseus (Mt 23.23; Lc 11.42). A terceira referência encontra-se na carta aos Hebreus (Hb 7.1-10). Existe uma teoria anti-dizimista que utiliza esse texto para rejeitar a prática do dízimo na dispensação da graça. O texto está provando a superioridade de CRISTO sobre a velha dispensação, e de modo particular, sobre o sacerdócio judaico. O texto diz que Abraão pagou seu dízimo a Melquisedeque, que era sacerdote do ‘DEUS Altíssimo’. Ora, isto foi muito antes da instituição da Lei do Antigo Testamento. Se Melquisedeque era figura de CRISTO, Abraão lhe deu o dízimo. Assim sendo, hoje os crentes em CRISTO lhe dão os dízimos, pois Ele é Sacerdote Eterno, segundo a ordem de Melquisedeque. Se Melquisedeque recebeu os dízimos de Abraão, por que CRISTO não receberia o dízimo de seus fiéis para a propagação do evangelho?
Paulo declara e ensina à igreja em Corinto que os que trabalham no ministério cristão também devem viver do ministério (1 Co 9.13). Destaca também que o princípio do sustento do ministério sacerdotal na dispensação da lei é o mesmo da graça. Paulo estava discutindo o seu direito ao seu sustento por parte das igrejas com as quais estava trabalhando. Com esse argumento ele estabelece o princípio entre as duas dispensações, a lei e a graça, e diz: ‘Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o evangelho, que vivam do evangelho’” (1 Co 9.14) (CABRAL, E. Mordomia Cristã: Aprenda como Servir Melhor a DEUS. 1.ed., RJ: CPAD, 2003, p.138).

QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO LIÇÃO 9, DÍZIMOS E OFERTAS
RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD DO 1º TRIMESTRE DE 2012
Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas corretas e com "F" as falsas.

TEXTO ÁUREO
1- Complete:
“Cada um ____________________________________ segundo propôs no seu coração, não com __________________________ ou por necessidade; porque DEUS ama ao que dá com _____________________” (2 Co 9.7).

VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
A chave da verdadeira _______________________________ está em ser fiel a DEUS em tudo, inclusive, na __________________________ dos dízimos e das _________________________.

COMENTÁRIO - Introdução
3- O que compromete as práticas bíblicas de o crente ofertar e dizimar para a Obra do Senhor?
( ) As distorções provenientes da Teologia da Trindade.
( ) As distorções provenientes da Teologia da Prosperidade.
( ) As distorções provenientes da Teologia da Santidade.

I. DÍZIMOS E OFERTAS NA BÍBLIA
4- O que quer dizer o vocábulo dízimo?
( ) Quer dizer “a duodécima parte”.
( ) Quer dizer “a décima parte”.
( ) Refere-se àquilo que é pago ao Senhor, em dinheiro ou em cheques.
( ) Refere-se àquilo que é devolvido ao Senhor, quer em dinheiro, quer em produtos e bens.

5- Qual o sentido de oferta?
( ) Tem o sentido de contribuição obrigatória.
( ) Tem o sentido de contribuição voluntária.
( ) Tem o sentido de contribuição opcional.

6- O dízimo e a oferta foram criados pela lei mosaica?
( ) Não. Apenas deu-lhes conteúdo e forma através das diversas normas ou leis que as regulamentaram.
( ) Sim. São normas ou leis regulamentares que DEUS deu a Moisés.
( ) Não. Tanto o dízimo como a oferta é opcional na vida de qualquer um.

7- Desde quando o ofertar e dizimar é visto como prática na bíblia?
( ) Desde o tempo da lei.
( ) Desde os dias de Abel e o dízimo já era praticado pelos patriarcas.
( ) Desde os dias de Adão e o dízimo já era praticado pelos profetas, começando por Elias.

8- Como aparece o dízimo no período mosaico?
( ) Como preceito de um princípio que passaria a existir no período monárquico.
( ) Como preceito de um princípio já existente no período patriarcal.
( ) Os preceitos mudam e até desaparecem, todavia, os princípios são imutáveis e permanentes.

9- De acordo com a Lei de Moisés, a quem deveriam ser entregues os dízimos?
( ) Deveriam ser entregues aos reis, para a manutenção do exército e também para o sustento dos levitas, já que estes não tinham possessão em Israel.
( ) Deveriam ser entregues aos levitas, para a manutenção do culto e também para o sustento dos sacerdotes, mesmo os que tinham possessão em Israel.
( ) Deveriam ser entregues aos sacerdotes, para a manutenção do culto e também para o sustento dos levitas, já que estes não tinham possessão em Israel.

10- Por que no Novo Testamento a prática do dízimo deve ser mantida?
( ) Porque a natureza e os fundamentos do culto não mudaram, mudou apenas a forma e a liturgia, mas não a sua função: a adoração
( ) DEUS deve ser em espírito e verdade!
( ) O princípio da adoração continua o mesmo.
( ) O princípio da obrigação continua o mesmo.

11- Quanto ao sacerdócio qual a diferença entre o dízimo no sacerdócio de Arão e no sacerdócio de CRISTO?
( ) O dízimo Levítico pertencia à ordem de Moisés, que era eterna.
( ) O dízimo Levítico pertencia à ordem de Arão, que era transitória.
( ) O dízimo cristão pertence à ordem de Melquisedeque que é eterna e, portanto, anterior à Lei de Moisés (Hb 5.10; 7.1-10; Sl 110.4).

12- De acordo com os ensinos de JESUS, qual nosso comportamento em relação ao Dízimo?
( ) JESUS não veio ab-rogar a lei, mas cumpri-la (Mt 5.17).
( ) Ele não apenas reconheceu a observância da prática do dízimo, mas a recomendou.
( ) Ele apenas reconheceu a observância da prática do dízimo, mas não a recomendou.

13- Nas epístolas, o que Paulo diz sobre o assunto?
( ) Paulo faz referência ao dízimo Levítico para extrair dele o princípio de que o obreiro deve trabalhar secularmente pelo seu salário.
( ) Paulo faz referência ao dízimo Levítico para extrair dele o princípio de que o obreiro é digno do seu salário.
( ) O apóstolo não reconhecia a legitimidade da prática do dízimo.
( ) O apóstolo reconhecia a legitimidade da prática do dízimo.

II. A PRÁTICA DO DÍZIMO E DAS OFERTAS COMO FORMA DE ADORAÇÃO
14- Qual um dos princípios básicos da prática do dízimo?
( ) É o reconhecimento de que DEUS é retribuidor das aplicações finenciras em sua obra com 100 vezes mais. Tudo vem dEle e é para Ele.
( ) É o reconhecimento de que DEUS é mulltiplicador das coisas. Tudo vem dEle e é para Ele. Ele multiplica por 100 quando nos devolve tudo o que a ELE oferecemos.
( ) É o reconhecimento de que DEUS é soberano sobre todas as coisas. Tudo vem dEle e é para Ele (Ag 2.8; Cl 1.17).

15- O que ocorre quando o crente devolve a DEUS o seu dízimo?
( ) Demonstra que reconhece o Senhor como a ponte de prosperidade financeira do crente.
( ) Demonstra que determina que o Senhor irá lhe abençoar com muito mais do que ofereceu a ELE.
( ) Demonstra que reconhece o Senhor como a fonte de todas as coisas.

16- Quando Melquisedeque (representante do sacerdócio de CRISTO), saudou a Abraão, “Bendito seja o DEUS Altíssimo!”, qual foi sua reação?
( ) Respondeu Abraão dizendo-lhe que lhe daria, no futuro, o dízimo.
( ) Respondeu Abraão dando-lhe o dízimo.
( ) O princípio da devolução do dízimo demonstra que somos independentes de DEUS (Melquisedeque era CRISTO ali).
( ) O princípio da devolução do dízimo demonstra que somos dependentes de DEUS (Melquisedeque representante de CRISTO ali).

17- Dentro do assunto dízimo, qual o reconhecimento do valor do próximo ai incutido?
( ) Genesis registra que havia um tipo de dízimo que deveria ser repartido para os doentes.
( ) Deuteronômio registra que havia um tipo de dízimo que deveria ser repartido entre os pobres.
( ) Esse “dízimo comunitário” devia ser praticado a cada três anos. O propósito é mostrar apreço pelos menos favorecidos.
( ) Inclusive, há uma promessa de a bênção do Senhor estar sobre todas as atividades de quem cumprir esse preceito.

III. DÍZIMOS E OFERTAS COMO FONTES DE BÊNÇÃOS
18- Como é a bênção da multiplicação, tanto no Antigo como no Novo Testamento demonstrando que DEUS reconhece e recompensa a fidelidade do seu povo? Complete:
Quando o crente é liberal em ________________________________ para o Reino de DEUS, uma decorrência natural do seu gesto é a bênção da multiplicação dada pelo Senhor. DEUS promete derramar bênçãos sem _________________________ e fazer abundar em toda graça (2 Co 9.6-10). Malaquias relaciona a ________________________________ do povo de Israel à devolução dos dízimos e das ofertas (Ml 3.10,11). O mesmo princípio é destacado em o Novo Testamento quando Paulo diz que DEUS é poderoso para fazer _____________________________ em toda graça aqueles que demonstram voluntariedade em _____________________________ para o Reino de DEUS.

19- A Bíblia revela que o Senhor é um DEUS de restituição (Jl 2.25). Como é a bênção da restituição?
O profeta Joel mostra que a terra de Israel era atacada constantemente por _____________________________________ que, em diferentes estágios de desenvolvimento, destruíam as suas lavouras. Para garantir a sobrevivência do povo, DEUS promete _________________________________ o que a praga _______________________________ (Jl 1.4; 2.25; Na 3.16). Malaquias associa o devorador àquele “que consome o fruto da terra” (Ml 3.11). A referência aplica-se, num primeiro plano, às pragas de gafanhotos, e num segundo plano a toda ação do __________________________________ sobre o povo.

20- Na Antiga Aliança, o Senhor prometeu “derramar bênçãos sem medida” sobre o seu povo (Ml 3.10). Como é a bênção da provisão de DEUS? Complete:
Na Nova Aliança, Ele deseja que o crente tenha “toda _________________________________” (2 Co 9.8). A prosperidade bíblica é viver na suficiência de CRISTO (2 Co 3.5; 9.8). Tal suficiência é vista como sendo a ____________________________________ divina para os filhos de DEUS. Deve ser lembrado, no entanto, que essa suficiência não deve ser confundida simplesmente com a aquisição de posses ______________________, mas o ter o necessário para viver com dignidade e, principalmente, possuir paz com DEUS e alegrar-se nEle (Fp 4.11; 2 Ts 3.16). Por toda a Escritura, observamos o cuidado do Senhor no sentido de ____________________________ para o seu povo aquilo que é necessário para o seu viver (Mt 6.25-33). Quando conscientizarmo-nos que estamos honrando o Senhor com nossos dízimos e ofertas, Ele ___________________________________ sobre nós sua provisão.

CONCLUSÃO
21- Complete:
Vimos, pois, que a prática dos dízimos e das ofertas sempre esteve ________________________________________ na história do povo de DEUS. Evidentemente que fica para nós o princípio de que somos abençoados não porque contribuímos, mas _________________________________ porque já somos abençoados. DEUS reconhece a _______________________________________ do crente em contribuir para o seu Reino e, por graça e misericórdia, derrama sobre nós as suas muitas e _______________________________ bênçãos.

RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO EM http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm

AJUDA
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
BANCROFT, E. H. Teologia Elementar. São Paulo, IBR, 1975.
CEGALLA, D. P. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1977.
BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada. Edição contemporânea. São Paulo, Vida, 1994.
McNAIR, S. E. A Bíblia Explicada. Rio de Janeiro, CPAD, 1994.
Espada Cortante 2 - Orlando S. Boyer - CPAD - Rio de Janeiro - RJ
CHAMPLIN, R. N. Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia. 5. ed. São Paulo: Hagnos, 2001. v. 1
VOS, Howard F.; REA, John. Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro: CPAD, 2006.
VINE, W. E.; UNGER, Merril F.; WHITE JR, William. Dicionário Vine. 2. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2003.
GILBERTO, Antonio. A BÍBLIA Através dos Séculos. Rio de Janeiro: CPAD, 1987. HORTON, Stanley. Teologia Sistemática. Rio de Janeiro: CPAD, 1996.
Romeiro, Paulo - Decepcionados com a graça : esperanças e frustrações no Brasil neopentecostal / Paulo Romeiro. — São Paulo : Mundo Cristão, 2005.
Ari Pedro ORO, Igreja Universal do Reino de DEUS: Os novos conquistadores da fé, p. 32,33. V. tb. entrevista sobre o mesmo tema na revista Eclésia, dezembro de 2003, p. 18.
Paulo ROMEIRO, Super Crentes e Evangélicos em crise.
Dennis A. SMITH, “Pistas polêmicas para uma pastoral no final do milênio” in
Benjamin F. GUTIÉRREZ e Leonildo S. CAMPOS, Na força do ESPÍRITO, p. 286.
Peq.Enc.Bíb. - Orlando Boyer - CPAD
Livro Jó - Claudionor De Andrade - CPAD
Introdução e Comentários de Francis I.Andersen - Sociedade Religiosa Edições Vida Nova - S.Paulo - SP
Impressão 05/1996 - http://www.vidanova.com.br/
www.estudosbiblicos.com.br
MURPMY, R. E. – Jó e Salmos. Encontros e Confrontos com DEUS, Ed Paulinas, 1985.
Mateus, introdução e comentário - Série cultura bíblica - R. V. G. Tasker - Editora: Vida Nova
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao07-pd-apromessadav...
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao10-heresias-ateolo...
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/jolicao9bildadeteologia...
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao7-dvc-dizimoseofer...
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao10-mordomia-amordo...

Exibições: 5

Tags: 9, DÍZIMOS, E, LIÇÃO, OFERTAS

Comentar

Você precisa ser um membro de Uniao de Blogueiros Evangelicos para adicionar comentários!

Entrar em Uniao de Blogueiros Evangelicos

© 2014   Criado por UBE/Administrador.

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço