Uniao de Blogueiros Evangelicos

OS SELOS, TROMBETAS E TAÇAS DO APOCALIPSE

                                       AS SUBDIVISÕES DO APOCALIPSE:
O Apocalipse mostra os fatos que acontecerão no período Tribulacional e até mesmo pré-tribulacional, em selos, trombetas e taças, determinando um desenrolar lógico dos acontecimentos.
Há uma estreita relação entre trombetas e taças, sendo estas últimas a descrição das consequências finais do toque das 7 trombetas. Já os selos, descrevem um período de tempo maior, que vai do princípio de dores (selos 1 a 4), até a Vinda de Cristo (selo 7), passando pela perseguição aos servos do Senhor (selo 5) e pelos sinais que antecedem o Grande Dia do Senhor (selo 6).
Os eventos relacionados às 7 trombetas ocorrerão a partir do início da Grande Tribulação e que os eventos resultantes das 7 taças terão lugar nos momentos finais desse período, abrangendo até mesmo os sinais que antecedem o Dia do Senhor, dia esse que é colocado como um evento que ocorrerá imediatamente após a Grande Tribulação. (Mateus 24:29).

                                                                                  OS SELOS:
São descritos a partir do capítulo 6 do Apocalipse. Os sete selos abrangem um período pré-tribulacional, denominada de {"princípio de dores"} (comparar Mateus 24:7-10 e Apocalipse 6:1-11) e até mesmo parte de acontecimentos pós-tribulacionais, como os sinais cósmicos que antecedem o Dia do Senhor (comparar Mateus 24:29 e Apocalipse 6:12-17).
Há uma estreita relação entre o sermão profético do Senhor Jesus e os sete selos do Apocalipse, abrangendo assim todos os principais sinais que ocorrem imediatamente antes, durante e logo após a Tribulação, apontando para a Gloriosa Volta do Mestre.
Os quatro primeiros selos referem-se aos quatro cavaleiros do Apocalipse (Apocalipse 6:1-8). Já estamos vivendo essa realidade, com o aumento progressivo das guerras, fomes e mortes. Esses primeiros quatro selos parecem estar intimamente ligados aos sinais do princípio de dores detalhados pelo Senhor, os quais irão se aprofundando. O resultado final da concretização desses quatro primeiros selos será a morte da quarta parte da população mundial.

O quinto selo (Apocalipse 6:9-11), descreve a súplica de cristãos que foram martirizados no decorrer da história por causa de seu posicionamento espiritual. Eles devem esperar um pouco mais de tempo, até que se complete o número daqueles que serão martirizados até o fim dos tempos, incluindo nesse contexto a Igreja nos últimos tempos. Esse selo aponta claramente para a perseguição histórica sobre a verdadeira Igreja, perseguição essa que se aprofundará no período da Tribulação.

O sexto selo (Apocalipse 6: 12-17), descreve uma grande comoção na Terra e no universo. Neste momento muitos despertarão para a realidade final. Fica implícita nesta passagem a manifestação de cataclismos surpreendentes, provavelmente gerados por deslocamentos orbitais e gravitacionais dentro do sistema solar. Fica muito clara a relação desse selo com os sinais que antecederão o Dia do Senhor (Mateus 24:29-30). Logo, esse selo abrange também acontecimentos que ocorrerão imediatamente após a Tribulação.

O sétimo selo (Apocalipse 8:1-5), se subdivide em sete trombetas. Aqui, o sétimo selo parece não indicar uma ordem cronológica em relação aos primeiros seis selos, mas sim explicativa. As trombetas descrevem eventos de forma mais detalhada. É como se, ao ser aberto o sétimo selo, se descortinassem as trombetas, o que ocorre também quando a sétima trombeta é tocada.

                                                                                 AS TROMBETAS:
As trombetas se referem a eventos que ocorrerão durante a Grande Tribulação.
A primeira trombeta (Apocalipse 8:7), sugere um conflito nuclear, que destruirá a terça parte da Terra.

A segunda trombeta (Apocalipse 8:8-9), parece ser consequência direta da primeira, gerando danos proporcionais às fontes aquáticas do planeta.

A terceira trombeta (Apocalipse 8:10-11), descreve "uma estrela" ardente caindo do céu como uma tocha, colidindo com a Terra. Esta colisão causará grande desastre, à Luz da Palavra Apocalíptica, vai acontecer.

A quarta trombeta (Apocalipse 8:12), à semelhança da segunda, é possivelmente uma consequência direta da trombeta anterior. Com a queda do asteróide ou meteorito, uma densa camada de poeira subiria, {"escurecendo"} o sol, a lua e as estrelas.

A quinta trombeta (Apocalipse 9:1-12) parece descrever a atuação de espíritos malignos, assumindo formas físicas bizarras, destruindo e matando aqueles que não tiverem o selo de Deus.

Na sexta trombeta (Apocalipse 9:13-21), continua a onda de destruição humana, agora encabeçada por quatro anjos, que possuem essa missão específica.
A sétima trombeta (Apocalipse 11:15-19), se subdivide em sete taças ou pragas.

                                                                         AS TAÇAS:
O derramamento das taças se dará no final da Grande Tribulação, nos anos finais da Grande Tribulação.

A primeira taça (Apocalipse 16:2), descreve o aparecimento de uma chaga maligna que se manifestará naqueles que tenham a {"A MARCA E O NÚMERO DA BESTA"}.

A segunda taça (Apocalipse 16:3), descreve a contaminação total dos oceanos, num possível aprofundamento das consequências da segunda trombeta.

A terceira taça (Apocalipse 16:4), é uma continuação do efeito anterior, com a destruição definitiva (até o começo do Milênio) dos rios e fontes de águas potáveis.

A quarta taça (Apocalipse 16:8-9), sugere uma aproximação da Terra ao Sol, possivelmente causada por uma mudança em seu eixo ou mesmo em sua massa, decorrente dos cataclismos anteriores, aumentando assustadoramente a temperatura média do planeta.

A quinta taça (Apocalipse 16:10-11), é um castigo específico contra o Anticristo e seus auxiliares mais próximos, possivelmente abrangente à cidade que ele escolherá como capital mundial.

A sexta taça (Apocalipse 16:12-16), descreve os preparativos satânicos para a batalha final do Armagedom. É muito provável que os exércitos Orientais descrito em Apocalipse 16:12, juntamente com as outras Nações, serão convencidos pela besta a marchar contra Israel. Com 200.000.000 (duzentos milhões) de soldados. Convencendo essas Nações através do engano espiritual de 3 espíritos malignos. Essas Nações se reunirão no Armagedom.

                                 TEMPO DO RETORNO GLORIOSO DO SENHOR JESUS CRISTO:
Será o clímax da ira de Deus sobre os ímpios e o pecado.
A sétima taça (Apocalipse 16:17-21), descreve o começo da destruição definitiva das forças do Anticristo. Elas serão derrotadas no Armagedom por CRISTO em Sua Segunda Vinda em Glória (Zacarias 14:1-21). Todo o sistema do Anticristo ruirá.
II Tessalonicenses 2:8 - E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da Sua Vinda;
A besta e o falso profeta serão lançados no lago de fogo e Satanás será amarrado por mil anos. A partir desse momento começa o Reino Milenar de Cristo em nosso planeta (Apocalipse, capítulos 19 a 22).

                                         O QUE VAI ACONTECER DEPOIS DA VINDA DE CRISTO?
1 - O REINO DE JESUS:
O Milênio terá início após a segunda Vinda de Cristo. De acordo com as Escrituras, os fiéis mortos vão Ressuscitar e Reinar com Cristo por mil anos na Nova Jerusalém.
O Milênio será um período real e será concretizado após a Vinda de Jesus. A Vinda de Jesus propiciaria a instauração de Seu reino sobre a Terra.

As promessas do Senhor não voltam atrás. Em Salmos 89:3-4, o Criador revela a Davi que sua descendência seria estabelecida para sempre e seu trono por todas as gerações. Somente Jesus, como Deus e como Homem, descendente legal de Davi, através da legalidade paternal de José e da descendência sanguínea de Maria, está apto para cumprir essa profecia, a qual certamente será literalmente concretizada após a Vinda de JESUS CRISTO. Até mesmo nos momentos em que o trono Davídico permaneceu vazio na Terra, o Rei dos Reis, como o Verbo Divino e Eterno, já exercia esse Reinado. A sede do Governo de JESUS CRISTO será JERUSALÉM, como podemos ver em Zacarias 14:8-11.
Muitos perguntam o porquê desse Reino milenar de JESUS? Por que é necessário que JESUS Reine sobre o planeta, regendo as Nações {"com vara de ferro"} (Apocalipse 19:15), se no final do reino milenar Satanás será solto para enganar as nações? Qual o objetivo desse Reino de JESUS após Sua Vinda? O Apóstolo Paulo responde essas questões:
"...Depois virá o fim, quando tiver entregado o Reino a Deus, ao Pai, quando houver destruído todo o império, e toda a potestade e força. Pois convém que Reine até que haja posto a todos os inimigos debaixo de Seus pés. Ora, o último inimigo que há de ser aniquilado é a morte." (I Coríntios 15:24-26)

Dentro do plano do Senhor, é necessário que Jesus reine até que o último inimigo (a morte), seja aniquilado. O "até" do versículo 25 não se refere à constituição de JESUS como Rei dos Reis e Senhor dos Senhores e sim ao propósito de Seu Reino milenar. Em outras palavras, o texto explica que o Reino de Jesus tem um objetivo específico: Derrotar definitivamente os inimigos do Senhor. Essa concepção faz pleno sentido quando a comparamos à passagem de Apocalipse 19:15, onde fica claro que JESUS regerá as Nações {"com vara de ferro"}, dando uma conotação de Juízo sobre aqueles que, mesmo sendo governados pelo próprio Senhor e vivendo num mundo perfeito, sem a presença e atuação de Satanás, optarão pela desobediência no final do período milenar.

1- A VIDA APÓS O MILÊNIO:
O grande Juízo do Trono Branco é o evento determinante no começo da realidade pós-milenar. Logo após a derrota definitiva das hostes satânicas (comparadas aos exércitos de Gogue em Apocalipse 20:7-10), ficará o caminho aberto para que o último grande inimigo seja derrotado: {"a morte"}. Logo após o Milênio ocorrerá a Ressurreição de todos aqueles que não pertencem à Igreja (Apocalipse 20:11-14) e o seu subsequente Julgamento (Apocalipse 20:15).
Com o mal e o pecado totalmente banidos do universo, a transformação da Criação Divina ficará completa com o surgimento de {"Novos Céus e Nova Terra"}. Nesta Nova Terra, a capital e ponto de referência será a NOVA JERUSALÉM, uma Cidade real e literal, preparada pelo próprio Criador, que ocupará o local da atual JERUSALÉM. Nela habitará pessoalmente o próprio DEUS, através do Cordeiro.

                                                                 A SEGUNDA VINDA DE CRISTO:
O MILÊNIO:
C. Posição Pré-milenista.
1- Significado:
A segunda vinda de Cristo acontecerá antes do Milênio.
2- Ordem dos acontecimentos:
A Era da Igreja termina no tempo da Tribulação, Cristo volta à Terra, estabelece e dirige seu reino por 1.000 anos, ocorrem a Ressurreição e o Juízo dos não-salvos, e depois vem a Eternidade.
3- Método de interpretação:
O pré-milenismo segue o método de interpretação normal, literal, histórico-gramatical. Apocalipse 20 é entendido literalmente.
4- A questão do Arrebatamento:
Quanto ao tempo em que vai ocorrer o Arrebatamento, será depois da Ressurreição no final da Grande Tribulação.

                                                                A PRIMEIRA RESSURREIÇÃO:
O termo "Primeira Ressurreição" aparece pela única vez no texto Apocalíptico e em toda a Bíblia em Apocalipse 20:5-6.

                                       HAVERÁ A RESSURREIÇÃO DOS JUSTOS E DOS ÍMPIOS:
A - A Ressurreição dos Justos: (LC 14.14; JO 5.28,29)
-Inclui os mortos em Cristo, que são Ressuscitados no Arrebatamento da Igreja que acontecerá no final da Tribulação (1º TS 4:16).
-Inclui os salvos durante os período da Tribulação (AP 20.4).
-Inclui os santos do A. T. (DN 12:2 - Alguns creem que serão Ressuscitados no Arrebatamento; outros pensam que isso se dará na Segunda Vinda). Todos estes são incluídos na Primeira Ressurreição.
A primeira Ressurreição é uma Ressurreição literal, a qual ocorrerá por ocasião da volta de Cristo e da qual participarão todos os salvos.

B - A Ressurreição dos Ímpios:
Todos os não-salvos serão Ressuscitados depois do Milênio para comparecerem perante o Grande Trono Branco e serem Julgados (AP 20.11-15). Esta Segunda Ressurreição resultará na segunda morte eterna para todos os envolvidos.

                                                                      O ARREBATAMENTO:
A- A Ocasião do Arrebatamento:
Arrebatamento pós-tribulacional:
A- Significado:
O Arrebatamento acontecerá ao final da Tribulação. O Arrebatamento é distinto da segunda Vinda, embora seja separado dela por um pequeno intervalo de tempo. A Igreja permanecerá na terra durante todo o período da Tribulação.

B- Provas citadas:
-O Arrebatamento e a segunda Vinda são descritos pelas mesmas palavras.
-Preservação da "ira" significa proteção sobrenatural para os Crentes durante a Tribulação, não libertação por ausência (assim como Israel permaneceu no Egito durante as pragas, mas protegido de seus efeitos).
-Haverá Santos na terra durante a Tribulação (MT 24.22).

                                                                                  O MILÊNIO:
A- Definição:
Depois da Tribulação Cristo voltará à terra com Seus Santos e inaugurará o Reino milenar (AP 20:2-7). A palavra millennium vem do latim mille e annus que significa mil anos. O termo grego usado na Bíblia é chiliasm (quiliasmo).
O Milênio é o período de 1.000 anos em que Cristo reinará sobre a terra, dando cumprimento às Alianças Abraâmica e Davídica, bem como à nova Aliança.

B- Suas Designações:
O Milênio é chamado de "Reino dos céus" (MT 6.10), "Reino de Deus" (LC 19.11), "Reino de Cristo" (AP 11.15), a "Regeneração" (MT 19.28), "Tempos de refrigério" (AT 3.19) e o "mundo por vir" (HB 2.5).

C- Seu Governo:
-Seu cabeça será Cristo (AP 19.16)
-Seu caráter. Um reino espiritual que produzirá paz, equidade, justiça, prosperidade e glória (IS 11.2-5).
-Sua capital será Jerusalém (2.3).

D- Sua Relação com satanás:
Durante este período satanás estará acorrentado, sendo liberto ao seu final, para liderar uma revolta final contra Cristo (AP 20). Satanás será derrotado e lançado definitivamente no lago de fogo.

A- Tipo de Milênio:
Pré-milenistas: Para estes o milênio é futuro e literal de mil anos na terra, que vem precedido pela Tribulação, e é posterior a segunda Vinda.
Colocam o Milênio depois da Tribulação, mas creem que a Tribulação será um período de imensa aflição.

                                                                  A NATUREZA DO MILÊNIO:
1 - Cristo Reinará (ZC. 14:9).
2 - Davi Reinará (EZ. 34:23,24;37:24; II Cr. 13:5; At. 15:16).
3 - Os Crentes Reinarão (DN. 7:18; Ap. 5:10).
4 - Haverá Justiça (IS. 32:1; SL. 66:3;81:15; ZC. 14:17-19).
5 - Haverá Conhecimento de Deus (IC. 11:9; Jr. 31:34).
6 - Haverá Paz (IS 2:4;9:6,7).
7 - Haverá Prosperidade (IS 35:1,2;51:3; AM 9:13).
8 - Haverá Longevidade de Vida (IS 65:20;33:24).

Cristo virá. Seguir-se-á então uma Ressurreição generalizada, e depois desta um Juízo geral e a Eternidade.

                                                                              O MILÊNIO:
Os estudos a respeito do Milênio surgiram logo após a inclusão dessa promessa na revelação dada por Deus a João através do Apocalipse. João descreve que, após a derrota do Anticristo e do falso profeta, por ocasião da segunda Vinda de Jesus, Satanás será preso e amarrado por mil anos (Apocalipse 19:11-21 e Apocalipse 20:1-2).

                                                                    A DURAÇÃO DO MILÊNIO:
Em relação à duração do Milênio, afirmamos tratar-se de um período de mil anos. Baseados numa interpretação literal da profecia referente ao Milênio, é que certamente haverá um período de paz e harmonia, logo após a Volta de Jesus Cristo. Neste momento os Servos Fiéis a Deus em todos os tempos receberão seus galardões (Apocalipse 20:4) e serão chamados para Reinar juntamente com CRISTO.
Acreditamos que, após a derrota das forças malignas do Anticristo, as condições naturais do planeta serão mudadas milagrosamente. Em primeiro lugar, o peso espiritual maligno que assola a Terra, ou seja, as potestades do ar, serão expulsas. Toda contaminação atmosférica causada pelos eventos catastróficos da Tribulação, todo desequilíbrio climático, enfim, tudo o que devastou a Terra e a natureza durante a história do homem decaído será restaurado.
Os textos bíblicos que mencionam esse período milenar, deixam transparecer que ele terá condições semelhantes às condições existentes no Éden (Isaías 11:1-16). A própria condição física do homem será privilegiada por essas mudanças, talvez levando os homens a viverem num período de tempo muito maior que o atual, aproximando-se à condição etária dos homens antediluvianos, o que talvez explique o termo {"Milênio"}, já que os seres humanos conseguiriam viver aproximadamente esse tempo ou mais. Nesse caso, o Milênio abrangeria somente uma ou duas gerações humanas. Esse contexto de perfeição existirá devido a dois fatores principais:
a) Presença física e espiritual do próprio Cristo na Terra, Governando o planeta com Amor e Justiça.
b) A saída de cena da trindade maligna, formada pelo Anticristo, o falso profeta e Satanás. O Anticristo e o falso profeta, após a derrota no Armagedom, serão lançados no lago de fogo. Satanás será preso durante esse período e solto no final do Milênio.

Muitos podem se perguntar a razão disso. Por que não lançar definitivamente Satanás no lago de fogo eterno, como acontece com o Anticristo e o falso profeta e livrar o ser humano de uma vez por todas desse mal? Por que ainda soltá-lo? Acreditamos que essa permissão Divina esteja inserida em Seu Plano Eterno no sentido de provar definitivamente a fidelidade da humanidade, dentro de um contexto de perfeição. Ou seja, colocar o ser humano num meio de perfeição, sob um governo que terá a direção do próprio Cristo, numa sociedade perfeita e condições de vida excepcionais. Não haverá desculpas nem pretextos para quem, no final do Milênio, cair na sedição satânica, que ajuntará muitas pessoas que preferiram as promessas enganosas do diabo ao Reino de Paz do Senhor (Apocalipse 20:7-9), mesmo vivendo nele e desfrutando de suas bênçãos. Será a prova de fidelidade derradeira para muitos. Os rebeldes, liderados pelo próprio Lúcifer, subirão contra Jerusalém, centro do governo de Jesus, e serão definitivamente derrotados (Apocalipse 20:10). Após esse fato definitivo virá uma Ressurreição em massa e o Juízo final (Apocalipse 20:11), para os que foram infiéis a Deus durante toda a história humana e escolheram conscientemente seguir a rebelião começada por Lúcifer nos primórdios dos tempos. Os condenados serão jogados junto com ele e seus anjos no lago fogo para todo sempre. Os Salvos não participarão dessa última Ressurreição em massa, pois mil anos antes já tinham participado da Primeira Ressurreição, ocorrida durante a Volta de JESUS CRISTO em Glória para instaurar o Milênio (Apocalipse 20:4-6).
Após o Juízo Final, a promessa de Novos Céus e Nova Terra será realizada. Um universo já totalmente livre de toda a raiz do mal e habitado por aqueles que amam Verdadeiramente a DEUS. Aqueles que foram provados de todas as maneiras e aprovados. Nesse momento, a nova Jerusalém descerá dos Céus com destino à Terra, já completamente transformada e adquirindo o seu estado definitivo, e servirá como Cidade Central para o Governo Divino na Nova Terra para toda a Eternidade. A Nova Jerusalém, de acordo com os dados Apocalípticos, é uma Cidade de forma quadrangular, construída com elementos celestes e além de nossa imaginação, com dimensões continentais e possuindo muros de 69,12 metros (Apocalipse 21:16-17). Nela, o próprio Deus fará morada entre os homens.

                                                                   PRÉ-MILENISMO:
O modelo pré-milenista defende a necessidade da volta de Jesus ocorrer antes do Milênio, para que o cumprimento de todas as promessas para esse período (paz, segurança, justiça, restauração de Israel e reinado da Igreja) se cumpram literalmente sobre a face da Terra, num reino visível, concreto e real. De acordo com o pré-milenismo, o Milênio será uma consequência direta da volta Gloriosa de Jesus, para derrotar o sistema maligno do Anticristo. De acordo com este modelo, logo após o Milênio, ocorrerá o Juízo final e a criação dos Novos Céus e da Nova Terra.
A seguir, daremos algumas razões para explicar porquê adotamos o modelo pré-milenista como forma de entender o que realmente é MILÊNIO e porque ele é, de acordo com o que cremos, o que mais se encaixa no contexto das profecias para os últimos tempos.

                                                                  UM REINO EXCLUSIVO:
Em João 5:19, o apóstolo nos revela que o mundo jaz inteiramente no maligno. Por outro lado, o apóstolo Paulo descreve Satanás como "deus deste século", cegando o entendimento espiritual de muitos (II Coríntios 4:4). O clímax dessa atuação satânica será experimentado durante a Tribulação, tornando incongruente a afirmação de que já estaríamos vivendo o que a Bíblia denomina como Milênio e errôneo todo esforço no sentido de viver de acordo com os estereótipos de vida bem-sucedida que o sistema oferece. Deus nos ensina a não amar o mundo (sistema) nem o que nele há (I João 2:15), e a não conformar-nos com o sistema (Romanos 12:2). Nossa esperança deve ser o encontro com Jesus e sua Volta Gloriosa (Tito 2:13).  
A Bíblia nos revela que, por ocasião da Volta Gloriosa de Jesus, o Anticristo e seus exércitos serão derrotados (II Tessalonicenses 2:8 e Apocalipse 19:11-21). Se o sistema maligno, no qual o mundo jaz atualmente, será derrotado por Jesus Cristo em Sua Segunda Vinda, então a concretização do Reino de Deus na Terra só se tornará um fato real após esses eventos (Vinda em Glória e derrota do Anticristo e sistema), colocando o Milênio como uma consequência direta desses eventos. O sistema maligno será derrotado definitivamente para que o Reino do Senhor seja instaurado (I Coríntios 15:25).
Nesse aspecto, é interessante notar que, quando Jesus se referiu ao "fim do mundo" na parábola do joio e do trigo (Mateus 13:39), e quando mencionou o "mundo vindouro", em seu diálogo com os saduceus (Lucas 20:35), é utilizado para "mundo" o termo grego "aeon", o qual significa sistema ou era. Tal termo não se aplica ao planeta Terra.

                                                                           UM REINO LITERAL:
São muitas as passagens bíblicas que nos remetem a um Reino literal de Paz e Comunhão sobre a Terra (Isaías 1:25-31, Isaías 2:1-22, Jeremias 23:5-8, Miquéias 4:1-4, Ezequiel 34:11-24, Zacarias 14:1-21, João 3:5, Apocalipse 12:10, entre outras). Não nos parece apropriado alegorizar essas descrições, aplicando-as ao presente, que é violento e no qual a iniquidade se multiplica (Mateus 24:12).
É obvio que existe o Reino Espiritual e Eterno de Deus, do qual somos Embaixadores (II Coríntios 5:19-20). Também é certo que, a partir do nascimento de Jesus e a delegação deixada à Igreja de anunciar as Boas Novas, o Reino de Deus, do ponto de vista Espiritual e Profético, já existe na Terra, porém isso não nega a concretização física desse Reino.
Quando Paulo nos mostra em I Coríntios 15:50 que, nem carne nem sangue herdarão o Reino dos céus, não está excluindo desse Reino aqueles que não receberão corpos Glorificados. Está apenas revelando que a Igreja receberá o Reino como Herdeira e Coerdeira com Jesus (Tiago 2:5, Mateus 5:10, Daniel 7:22), até porque o Reino terá como sede Jerusalém (Zacarias 14:16-17), a Nação Israelense continuará existindo fisicamente (sem Corpos Glorificados) e muitas Nações continuarão existindo, sob o Governo do Mestre, mesmo algumas daquelas que subirão contra Jerusalém no Armagedom (Zacarias 14:16, Ezequiel 36:33-36).
A Bíblia deixa claro que Jesus Cristo será o Rei dos Judeus e se Assentará literalmente no Trono de Israel (Lucas 1:32-33), cumprindo literalmente a promessa feita a Davi (Salmos 89:3-4).

                                                       O JUÍZO PRÉ-MILENAR:
Uma passagem que tem originado muita discussão encontra-se em Mateus 25:31-46, na qual aparentemente o {"Juízo Final"} ocorre por ocasião da Volta de Jesus em Glória, pois o Apocalipse revela que o {"Juízo Final"} ocorre após o Milênio.
Porém, analisando detalhadamente e comparando o Juízo de Mateus 25:31-46 e as passagens que descrevem o Juízo Final, vemos diferenças substanciais.
O primeiro Juízo: Que ocorre imediatamente após a Volta de Jesus é um Juízo dirigido às Nações (Mateus 25:32), baseia-se em {"ações"} dessas nações em relação aos {"pequeninos"}, simbolizando a Nação Israelense (Mateus 25:31-40). Também é um {"Juízo"} destinado à separação entre o {"JOIO"}, aqueles que durante a Tribulação receberam conscientemente a marca da besta e a adoraram, permanecendo vivos no final da Grande Tribulação, e o {"TRIGO"}, que são os servos Fiéis de Deus em todos os tempos, inclusive na Tribulação (Mateus 13:24-30, Apocalipse 14:9-14).

O segundo Juízo: Após o Milênio, é final (Apocalipse 20:11-15), baseia-se no Livro da Vida (Apocalipse 20:12), assumindo assim um caráter essencialmente espiritual e irá requerer uma Ressurreição de todas as pessoas de todas as épocas da humanidade que não fazem parte dos salvos (Apocalipse 20:13). Esta é a segunda morte relatada em Apocalipse 20:6.

O Apocalipse relata que, por ocasião da volta de Jesus, ocorrerá a {"Primeira Ressurreição"}, que será a dos salvos mortos de toda história, inclusive os mortos durante a Grande Tribulação. Essa diferença entre as duas Ressurreições separa mais uma vez a Segunda Vinda do Juízo Final e, consequentemente, o Juízo das Nações (após a volta de Jesus) do Juízo Final (após o Milênio). Note que, aqueles que participarão da "Primeira Ressurreição" (Cristãos Ressuscitados), Reinarão com Cristo durante mil anos, separando a primeira da segunda Ressurreição por um espaço específico de tempo de mil anos.
"...E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e da Palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e Viveram, e Reinaram com Cristo durante Mil anos. Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a Primeira Ressurreição" (Apocalipse 20:4-6).

{"Neste texto fica bastante clara a existência de um período de mil anos entre uma Ressurreição e a outra"}, algo que não deve ser alegorizado. É uma questão de lógica: Se da "Primeira Ressurreição" participam também aqueles que serão martirizados pela besta em plena Grande Tribulação (período em que, satanás será solto de sua prisão de mil anos), e esses mesmos martirizados durante a Grande Tribulação participarão ativamente do Milênio (Apocalipse 20:6), consequentemente, o Milênio não pode ocorrer antes da Grande Tribulação!

Afirmar o contrário (que o Milênio é um período anterior à Grande Tribulação), é forçar a cronologia bíblica.

Outra diferença substancial entre o {"Julgamento"} que ocorrerá logo após a Volta de JESUS e aquele que terá lugar após o Milênio, é o fato de que o diabo, quando é jogado no lago de fogo, após a rebelião final do milênio, já encontra no lugar tanto o Anticristo quanto o falso profeta, QUE JÁ TINHAM SIDO LANÇADOS ANTES (Apocalipse 20:10).
Isso indica uma diferença de tempo entre a condenação da besta e do falso profeta e a condenação do diabo. De acordo com a Revelação Apocalíptica, {"essa diferença de tempo é de mil anos"}. Indica também, mais uma vez, que o Milênio ocorrerá cronologicamente após a Grande Tribulação.

                                                                   SATANÁS AMARRADO:
Como consequência direta da Volta de JESUS CRISTO, satanás será amarrado por mil anos, o que não condiz com a realidade atual, na qual o mistério da iniquidade opera (II Tessalonicenses 2:7) e o espírito do Anticristo está atuante desde que o Mistério da Redenção por Cristo foi Revelado (I João 4:3). Paulo esclarece aos Coríntios que satanás é {"o deus deste século"} (II Coríntios 4:4). O termo grego usado por Paulo é "aeón", o qual se refere ao sistema governamental e a influência social deste mundo. Na carta à Igreja em Pérgamo, João esclarece que satanás {"habitava"} entre as pessoas daquela cidade (Apocalipse 2:13).
A Revelação Apocalíptica é clara em mostrar que o objetivo da prisão do diabo é impedir que ele engane as Nações (Apocalipse 20:3). O texto não diz que ele não enganará {"muito"} ou {"tanto"} as Nações, mais que ele {"não enganará mais"} as Nações por um determinado período. Diante de toda a atuação satânica descrita na Palavra e vista por nós mesmos em nossos dias. Acreditamos que essa prisão de satanás será drástica e o impossibilitará totalmente de interagir com as Nações. De acordo com o texto Apocalíptico, tal prisão ocorrerá como resultado direto da Vinda de Jesus e não antes (Apocalipse 19:19-20, Apocalipse 20:1-6). Não se trata de uma prisão em {"regime semi aberto"}.
Em Judas 6, é descrita a prisão de anjos no abismo. O texto esclarece que há uma impossibilidade de interação entre esses anjos trancafiados e os seres humanos, ao revelar que eles estão numa prisão eterna, até o Dia do Juízo. Essa prisão é o abismo. Satanás, de acordo com o texto Apocalíptico, será encadeado e preso no abismo por um determinado tempo (Apocalipse 20:1-3).
Cremos que o fato de satanás ser amarrado por mil anos ainda acontecerá e será resultado da Vinda Gloriosa de Cristo (Apocalipse 19:11-21, Apocalipse 20:1-3). O diabo não será amarrado como consequência exclusiva da pregação do Evangelho ou antes da Vinda Gloriosa de Jesus Cristo, e sim após um acontecimento concreto: A Volta de Jesus Cristo em Glória. A Revelação Apocalíptica nos leva a esse entendimento.

                                                                    OS JUÍZOS FUTUROS:
A- O Julgamento das Obras dos Crentes:
Tempo: Depois da Ressurreição e do Arrebatamento da Igreja.
Lugar: No céu.
Juiz: Cristo.
Participantes: Todos os membros do Corpo de Cristo.
Base: Obras posteriores à salvação.
Resultado: Galardões ou perda de galardões.
Textos: 1º CO 3.11-15; 2º CO 15.10

B- O Julgamento das Nações (ou gentios):
Tempo: Na segunda Vinda de Cristo.
Lugar: Vale de Josafá.
Juiz: Cristo.
Participantes: Os gentios vivos na época da Volta de Cristo.
Base: Tratamento dos "irmãos" de Cristo, i.e., Israel.
Resultado: Os Salvos entram no Reino; os perdidos são lançados no lago de fogo.
Textos: MT 25.31-46; JL 3.2

C- O Julgamento de Israel:
Tempo: Na segunda Vinda de Cristo.
Lugar: Na terra, no "deserto dos povos" (EZ 20.35).
Juiz: Cristo.
Participantes: Judeus vivos ao tempo da segunda Vinda de Cristo.
Base: Aceitação do Messias.
Resultado: Os salvos entrarão no Reino; os perdidos serão lançados no lago de fogo.
Textos: EZ 20.33-38

D- O Julgamento dos Anjos Caídos:
Tempo: Provavelmente depois do milênio.
Lugar: Não especificado.
Juiz: Cristo e os Crentes.
Participantes: Anjos caídos.
Base: Desobediência a Deus ao seguirem a satanás em sua revolta.
Resultado: Lançados no lago de fogo.
Textos: JD 6; 1º CO 6.3

E- O Julgamento dos Mortos Não-Redimidos:
Tempo: Depois do Milênio.
Lugar: Perante o Grande Trono Branco.
Juiz: Cristo.
Participantes: Todos os não-salvos desde o principio da humanidade.
Base: O que faz serem julgados é a rejeição da Salvação em CRISTO, mas o fogo do Juízo é a demonstração de que pelas próprias más obras merecem a punição eterna.
Resultados: O lago de fogo.
Textos: AP 20.11-15

                                                                             OS JULGAMENTOS:
A) O Juiz:
1 - Deus (RM. 1:32;2:2,3,5,6;14:12; SL. 9:7,8;96:13).
2 - Cristo (RM. 2:16; 14:10-12; AT. 17:31; JO. 5:22,23,27; II CO. 5:10; AT. 10:42; II TM. 4:1).
3 - Os Santos como Auxiliares (SL. 149:9; AP. 2:26;3:21; I CO. 6:2,3).

B) Natureza do Julgamento:
1 - Bema = Tribunal (I CO. 4:5; AP. 22:12; I CO. 3:13-15; JO. 5:24; II CO. 5:10).
2 - Israel (SL. 50:1-7; IS. 1:2,24,26; EZ. 20:30-44; JL. 3:2; ML. 3:1,17; MT. 25:31,32; ZC. 14:1,2).
3 - Gentios (SL: 9:7,8;96:12,13; ZC. 14:1,2; MT. 25:31,32).
4 - Besta e Falso Profeta (Ap. 19:20).
5 - Anjos (MT. 25:41; I CO. 6:3; JD. 6; II PE. 2:4).
6 - Satanás (AP. 20:10).
7- Juízo Final = Trono branco (AP. 20:5a, 11; AT. 24:14; JO. 5: 9; AP. 20:12,13,15;21:8; I CO. 4:5;15:28; HB. 9:27; RM. 2:5,6; MT. 12:36; II CO. 5:10).

                                                    E ASSIM CHEGAMOS A ETERNIDADE...

Estas profecias foram elaboradas com base no que está escrito nas profecias da Bíblia Sagrada.
Os dados obtidos com as revelações bíblicas citadas acima, permitem situar-nos dentro dos últimos acontecimentos.
Tantos detalhes proféticos nos mostram, mais uma vez, que Deus quer nos revelar aquilo que precisamos saber.

A Igreja de Cristo e todos os membros do corpo da Igreja de Cristo, dos {"derradeiros anos"} deste atual sistema visto, em que vivemos, precisam saber com firmeza e verdade, que vão entrar sim, na Tribulação. Por isso, é necessário cada um estar muito bem preparado, para viver dias terríveis, no tempo da Tribulação, que virá. {"Será tempo de Testemunho e martírio"}. Por Fé, muitos suportarão terríveis atrocidades e perseguições durante o período da Tribulação. Esperando a Volta Gloriosa de Jesus Cristo, como Rei e SENHOR, mas sabendo exatamente que o retorno de Cristo em Glória, só vai acontecer no final da Grande Tribulação.
Esse é o nosso chamado. Para isso fomos escolhidos.
Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja Glória e Majestade, Domínio e Poder, agora, e para todo o sempre. Amém.

Exibições: 164

Tags: 2018, 2047, apocalipse, armagedom, arrebatamento, fimtempos, segundavinda, tribulação

Comentar

Você precisa ser um membro de Uniao de Blogueiros Evangelicos para adicionar comentários!

Entrar em Uniao de Blogueiros Evangelicos

Comentário de Flávio Guedes em 25 novembro 2013 às 17:16

© 2014   Criado por UBE/Administrador.

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço